Críticas

Extermínio (2002)

Mais um grande filme a abordar a temática de zumbis através de seus violentos infectados dos tempos modernos!

Extermínio (2002)

Extermínio
Original:28 Days Later
Ano:2002•País:UK
Direção:Danny Boyle
Roteiro:Alex Garland
Produção:Andrew Macdonald
Elenco:Cillian Murphy, Naomie Harris, Christopher Eccleston, Alex Palmer, Bindu De Stoppani, Jukka Hiltunen, David Schneider, Noah Huntley, Brendan Gleeson

Dentre os diversos sub-gêneros do horror, os filmes abordando a temática dos mortos-vivos ou zumbis sempre despertaram uma grande atenção nos admiradores do estilo. Desde o lançamento em 1968 do cultuado clássico em preto e branco A Noite dos Mortos-Vivos, de George A. Romero, os filmes de zumbis assassinos e sedentos por carne humana passaram a ser produzidos em grande quantidade, povoando a imaginação dos fãs do cinema fantástico com os piores pesadelos.

Romero acabou criando uma trilogia que ainda teve os consagrados Despertar dos Mortos (1978) e Dia dos Mortos (1985), ambos carregados de críticas pertinentes, o primeiro sobre a sociedade de consumo e o segundo sobre a intransigência militar, e seus filmes serviram de inspiração para cineastas talentosos como o italiano Lucio Fulci (falecido em 1996) exercitarem suas habilidades, ele que dirigiu um dos mais violentos exemplares do gênero, Zombie Flesh-Eaters (1979).

Insistindo em apostar nessa fórmula e acreditando que o tema, mesmo apesar de desgastado e já muito explorado, ainda poderia render uma boa história de zumbis adaptada para os tempos modernos, o diretor inglês Danny Boyle lançou Extermínio (28 Days Later), que entrou em cartaz nos cinemas brasileiros em 25/07/03, chegando um pouco atrasado para nós, já que estreou na Inglaterra em novembro de 2002, inclusive tendo a versão em DVD já lançada por lá também.

Extermínio (2002) (1)

Com roteiro de Alex Garland, autor do livro que inspirou o roteiro de A Praia (2000), também dirigido por Danny Boyle, o filme mostra um laboratório de pesquisas com macacos utilizados como cobaias em experiências secretas, sendo invadido por um grupo de ativistas que exigem que os animais sejam libertados. Uma vez desconsiderando a informação de um técnico local de que os macacos estariam contaminados com um vírus letal transmissor da raiva, as jaulas são abertas e uma epidemia mortal se espalha pela cidade de Londres, numa enorme velocidade de devastação.

Em exatos vinte e oito dias depois (daí o título original do filme), um jovem entregador de encomendas chamado Jim (Cillian Murphy), desperta de um coma na UTI de um hospital, devido a um acidente de carro. Desorientado, ele descobre que o prédio está misteriosamente vazio e sai sem rumo pelas ruas desertas da cidade, encontrando desordem e cadáveres espalhados, além de horríveis criaturas que tentam devorá-lo, infectadas pelo vírus libertado no laboratório e que se transmite pelo sangue e saliva.

Jim acaba encontrando outros sobreviventes, Selina (Naomie Harris) e Mark (Noah Huntley), que o levam para um local seguro e informam sobre o caos instaurado na Inglaterra com a proliferação dos infectados, pessoas que se transformaram em mortos-vivos, e que aparecem apenas à noite para se alimentarem. Os três jovens partem pela procura dos pais de Jim na inútil tentativa de encontrá-los com vida, e após um confronto mortal com as criaturas infectadas, encontram outros dois remanescentes da população ainda ilesos da ação do vírus, na figura de um pai, Frank (Brendan Gleeson), e sua filha adolescente, Hannah (Megan Burns), que estão refugiados no alto de um edifício.

Extermínio (2002) (2)

O grupo formado tenta sobreviver em meio ao caos até receberem informações através de uma mensagem gravada captada por um rádio, sobre as atividades de um grupo militar comandado pelo major Henry West (Chistopher Eccleston), que está convocando a todos os sobreviventes que se encontram isolados para se juntarem a ele na tentativa de combater a praga dos zumbis, receberem proteção e reestabelecer a ordem. Eles decidem ir ao encontro dos militares de carro numa jornada perigosa pela cidade devastada, com direito a uma tensa sequência passada no interior de um túnel escuro, sem saberem que ainda enfrentariam problemas reveladores com os militares, muito maiores que a ameaça dos próprios infectados canibais.

Extermínio lembra raridades do cinema fantástico do passado como Mortos Que Matam (The Last Man on Earth, 1964), com o lendário Vincent Price, e sua refilmagem A Última Esperança Sobre a Terra (The Omega Man, 1971), com Charlton Heston, ambos baseados no livro Eu Sou a Lenda, de Richard Matheson, além de outros similares mais recentes como Resident Evil – O Hóspede Maldito (2002). Como já era esperado, o filme de Danny Boyle apresenta muitos dos elementos mais básicos e característicos presentes em filmes de zumbis e similares. Historicamente a motivação para a criação da legião de mortos-vivos do cinema teve várias origens diferentes exploradas pela infinidade de filmes do tema, desde a contaminação por uma substância oriunda de um meteoro vindo do espaço, passando por rituais de magia negra e vodu, até a ação nociva de misteriosos gases letais de experiências secretas do governo. Só que no caso de Extermínio, as criaturas foram geradas pela contaminação de um vírus moderno de laboratório que, ao invés de originar uma doença mortal, acaba na verdade despertando a raiva e a fúria da humanidade, sentimentos primitivos sempre existentes em nossa espécie e apenas camuflados por aqueles que conseguiam controlá-los, enfatizando o quanto perigosos e irracionais; os seres humanos podem ser. E uma das características que diferenciam os infectados desse filme para os tradicionais zumbis apresentados em A Noite dos Mortos-Vivos, por exemplo, é a agilidade e rapidez nos movimentos, tornando muito mais perigosos os seus ataques fatais.

Extermínio (2002) (4)

A maior e mais oportuna crítica presente no argumento de Extermínio é justamente a deterioração da racionalidade humana ao logo de sua história, chegando a uma condição duvidosa de civilidade nesses tempos modernos de guerras violentas por interesses econômicos e ameaças de conflitos nucleares e armas químicas. Pois em determinado momento do filme, ocorre uma inversão de valores entre os perigosos infectados irracionais e os remanescentes humanos, evidenciando a essência maléfica da humanidade, com seus últimos descendentes fazendo da insanidade e violência seu instinto básico de sobrevivência em meio ao caos de uma sociedade em desordem.

A primeira metade do filme é claramente superior evidenciando as consequências depressivas de um apocalipse, com cidades inteiras vazias, dominadas apenas à noite pelos infectados. A partir do momento em que o pequeno grupo de sobreviventes entra em contato com uma base militar situada próxima à Londres, a intensidade dramática da história diminui ao esbarrar em alguns clichês previsíveis, principalmente quando ocorre uma mudança muito rápida e exagerada de comportamento com o personagem Jim, que era um simples entregador de encomendas despertado de um coma, evidenciando situações que podem ser consideradas inverossímeis, apesar de toda a agressividade hostil do novo ambiente criado pela disseminação do vírus letal da raiva. E o desfecho não foi plenamente satisfatório, sendo previsível e de pequeno impacto, e que poderia ser explorado de forma mais sombria e não convencional. Apesar desses detalhes, Extermínio pode ser considerado mais um grande filme a abordar a temática de zumbis através de seus violentos infectados dos tempos modernos, sendo juntamente com O Chamado (The Ring), os melhores filmes de horror lançados nos cinemas brasileiros na primeira metade do ano de 2003.

Extermínio (2002) (5)

O diretor Danny Boyle nasceu em 1956 em Manchester, Inglaterra, e entre seus trabalhos anteriores destacam-se Cova Rasa (Shallow Grave, 1994), Trainspotting – Sem Limites (Traispotting, 1996) e A Praia (The Beach, 2000).

O elenco de Extermínio é em sua maioria composto por atores até então desconhecidos, exceto por Brendan Gleeson, que foi visto anteriormente em Gangues de Nova York (2002), de Martin Scorsese, e por Christopher Ecclestone, que participou de ExistenZ (1999), de David Cronenberg, e Os Outros (2001), de Alejandro Amenábar.

Curiosamente, para a gravação das cenas com a cidade de Londres deserta, simulando uma devastação causada pela proliferação de um vírus mortal, a equipe de produção realizava sempre as filmagens de manhã bem cedo, antes do início do habitual tumulto de carros e pessoas, típico de uma grande cidade, recebendo o auxílio da polícia para a organização das atividades.

Extermínio (2002) (6)

E um fator positivo nesse caso foi a utilização de vídeo digital para o filme, cujo processo de filmagem é muito mais rápido e prático, eliminando grande parte do trabalho e permitindo agilidade para filmar as cenas nas ruas desertas da cidade. Como resultado, temos imagens sombrias e mais associadas a um cenário urbano pós-apocalíptico. A propósito, um dos destaques de Extermínio é justamente uma sequência onde o protagonista caminha desorientado numa Londres totalmente vazia, com carros tombados e sujeira para todos os lados, num incrível clima de depressão.

Aliás, todo filme que mostra situações ambientadas em cenários urbanos desertos e abandonados sempre causam um forte impacto, transmitindo um amargo sentimento de desolação e inevitavelmente impressionando o público com a possibilidade de um evento depressivo de destruição. O cinema já produziu dezenas de exemplos dentro dessa ideia e somente para ilustração alguns poucos casos podem ser conferidos em filmes recentes como A Dança da Morte (1994), A Reconquista (2000), Vanilla Sky (2001), e Reino de Fogo (2002), ou outros mais antigos como o super obscuro e raríssimo A Invasão do Centro da Terra (Invasion From Inner Earth, 1974), de Bill Rebane, além de episódios de séries de TV como o piloto da antiga Além da Imaginação (1959/64), chamado Onde Estão Todos?, ou O Dia em que a Terra Acabou de Viagem ao Fundo do Mar (1965/69), ou ainda mais recentemente com a excelente série Night Visions (2001), através do episódio O Labirinto, dirigido por Tobe Hooper. A ideia do fim da raça humana, com cidades inteiras vazias, destruídas ou não, certamente é uma das premissas mais apavorantes para um argumento do mais absoluto estado de horror.

Com um orçamento modesto de US$ 15 milhões, o filme surtiu um resultado satisfatório para os produtores, e numa astuta jogada de marketing eles informaram que algumas cópias exibidas nos cinemas americanos vieram com um extra interessante na forma de um final alternativo, exibido logo após os letreiros finais. Os produtores revelaram também que o vírus de Extermínio, responsável pela contaminação da raça humana transformando as pessoas infectadas em zumbis, foi inspirado em doenças dos tempos modernos como a aids e o ebola, de origens misteriosas e que tem sido um dos grandes males da civilização dos tempos modernos, dizimando milhares de pessoas ao redor do planeta.

Extermínio (2002) (7)

O título nacional Extermínio foi até bem escolhido, tendo relações diretas com a história do filme, porém ainda assim, o ideal seria apenas traduzir literalmente o original para 28 Dias Depois.

Leia também:

8 Comentários

  1. alexandre santos

    eu assisti este filme na madruga na globo e legal

  2. Juninho

    Simplesmente o melhor filme de zumbi que eu ja assisti na minha vida. Totalmente foda. Adoro a trilogia de Romero mas esse pra mim é o melhor

  3. Cristiano

    Este filme é bom, é um filme digno, tem uma história boa.

  4. Sérgio

    Quando peguei este filme em uma locadora de vídeos há quase 10 anos passados, pensei que se tratava de um filme, digamos, “meia-boca” e o levei para casa para não voltar de mãos vazias, pois não havia muitas outras opções naquela noite de sábado.

    Bem, para minha surpresa, me deparei com um filme que até hoje é uma das minhas principais referências e indicações do gênero terror. Gostei demais! Absolutamente imperdível!

    Um detalhe: A continuação deste filme (Extermínio 2, ou “28 Weeks Later”, título no Inglês, é tão boa quanto este primeiro filme, senão melhor. Também imperdível!)

  5. Também gosto , uma boa opção .

  6. gu

    não gosto desse filme =s

    • vanessa vasconcelos

      eu gosto 😉

      • Cristiano

        Eu concordo com você, Extermínio é um bom filme, o segundo filme é muito bom também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *