Críticas, Quadrinhos

Coleção Marvel Terror: A Tumba do Drácula #01 (2014)

A arte sóbria de Colan cria um ambiente digno do cinema de horror, com seus castelos sinistros e suas belas e voluptuosas donzelas em perigo

A Tumba do Drácula (3)

A Tumba do Drácula
Original:The Tomb of Dracula 1
Ano:2014•País:EUA
Páginas:164• Autor:Editora: Panini

Logo após o Comic Code Authority permitir que as editoras voltassem a escrever histórias com vampiros, a Marvel Comics, que já havia dado um jeito de introduzir um personagem meio vampiro nas revistas do Homem-Aranha na pele de Morbius, decidiu trazer para o seu universo de personagens aquele que se tornou o mais famoso de todos os vampiros: Drácula!

A criação máxima de Bram Stoker estreou nas páginas de “The Tomb of Dracula” com roteiro de Gerry Conway e arte de Gene Colan e mostrava o Conde Drácula sendo trazido de volta à vida nos anos 70 quando um descendente direto do vampiro, Frank Drake, recebe de herança o antigo castelo de Drácula. Durante uma viagem até o local, para uma avaliação do que Drake pretendia transformar em um ponto turístico, seu “amigo” Cliff, acidentalmente ressuscita o maligno Conde, dando início a um banho de sangue.

Para o leitor moderno, acostumado às splash pages e aos quadrinhos widescreen atuais, que visam à venda de direitos para o cinema na esperança dos autores se tornarem milionários da noite para o dia, o ritmo lento e o texto prolixo de A Tumba de Drácula pode causar algum estranhamento. Porém, vale a pena citar que, embora a HQ não trate de super-heróis coloridos, Conway e Colan estavam trabalhando sob o ditame do “Marvel Way” e por isso as histórias lembram em muito todo aquele falatório pelo qual Stan Lee ficou famoso.

Já para aquele leitor fã de boas histórias de horror, que resolveu se arriscar nas páginas de “A Tumba do Drácula”, fica a sensação de estar assistindo a um bom filme da Hammer ou da Amicus, produtoras de cinema dos anos 60 e 70 famosas por seus filmes de terror, com o seu clima gótico e seu visual elegante e vitoriano. A arte sóbria de Colan cria um ambiente digno do cinema de horror, com seus castelos sinistros e suas belas e voluptuosas donzelas em perigo. O texto fica dividido entre Gerry Conway e Archie Goodwin, que assume o título na terceira edição, dando finalmente um rumo para a revista e introduzindo uma série de coadjuvantes importantes para o futuro de “A Tumba do Drácula”.

A Tumba do Drácula (2)

Com 164 páginas, a revista reúne as edições de 1 a 6 de “The Tomb of Dracula” e “Dracula Lives” 1. A Panini surpreendeu a todos com o lançamento no Brasil deste excelente encadernado que fez a festa dos leitores mais velhos que puderam matar a saudade desta ótima HQ e pôde mostrar aos novos que nem só de zumbis se faz uma boa história em quadrinhos de horror.

Leia também:

Rodrigo Ramos

Rodrigo Ramos

Designer por formação e apaixonado por HQs e Cinema de Horror desde pequeno. Ao contrário do que parece ele é um sujeito normal... a não ser quando é Lua Cheia. Contato: rodrigoramos@bocadoinferno.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *