Triângulo do Medo (2009)

Triângulo do Medo (2009) (1)

Triângulo do Medo
Original:Triangle
Ano:2009•País:UK, Austrália
Direção:Christopher Smith
Roteiro:Christopher Smith
Produção:
Elenco:Melissa George, Liam Hemsworth, Joshua McIvor, Jack Taylor, Michael Dorman, Henry Nixon, Rachael Carpani, Emma Lung, Bryan Probets

Num filme de horror comum, os roteiristas parecem se ver obrigados a desenvolver minimamente os personagens, mas o que acaba importando, em geral, são as situações pré-concebidas de sustos, mortes violentas ou reviravoltas. Um dos diferenciais de Triângulo do Medo é que o roteiro do longa dedica-se a criar uma atmosfera própria e, sobretudo, um forte perfil naqueles personagens que acabam se tornando para o espectador pessoas com as quais passamos a nos importar, o que deixa tudo que o roteiro oferece muito mais eficiente.

Dirigido pelo britânico Christopher Smith, o enredo gira em torno de Jess (George), uma mulher fragilizada e mãe solteira, que embarca num pequeno barco junto com meia dúzia de pessoas, comandado por Victor (Hemsworth), um sujeito bacana que parece simpatizar com a moça e mostra um interesse genuíno nela. O objetivo do mini-cruzeiro é sair da rotina por algumas horas, mas uma violenta tempestade arruina a viagem, virando o barco e colocando os sobrevivente à deriva. Como que por milagre, um gigantesco navio aparece em pleno mar aberto, e o grupo decide embarcar naquele que julgam ser um providencial salvamento. No entanto, após adentrarem na embarcação, eles percebem que não há ninguém a bordo… ou talvez haja.

Triângulo do Medo (2009) (2)

Fugindo da obviedade que uma premissa como a do parágrafo anterior certamente geraria, Smith confere complexidade e peso à narrativa, através de inúmeros plot twists que envolvem viagens no tempo e um ambicioso desfecho. Aliás, curiosamente o longa aposta numa atmosfera quase onírica durante o longa, numa proverbial fuga da realidade representada pelo iate em mar aberto, como posteriormente nos escuros, estreitos e claustrofóbicos corredores no interior do navio, como nos piores pesadelos, ainda que algumas cenas filmadas utilizando o chromakey soem excessivamente falsas.

Beneficiado ainda por um forte elenco principal, Triângulo mostra uma interpretação de Melissa George (30 Dias de Noite), que entrega uma performance com forte peso dramático de uma persnoagem sofrida e problemática. Já Liam Hemsworth igualmente convence num papel gentil e despojado, cuja leveza se contrapõe perfeitamente à caracterização de Jess.

Triângulo do Medo (2009) (3)

Combinando de maneira surpreendente um thriller de horror psicológico com um desafio intelectual, o longa de Smith é no mínimo um admirável exercício artístico ao conter tantas reviravoltas e detalhes, conseguindo se manter, ainda assim, coeso e íntegro em sua lógica narrativa. Ganha o cinema fantástico com obras como essa gema pouco conhecida.

(Visited 105 times, 1 visits today)
Marcus Augusto Lamim

Marcus Augusto Lamim

Um seguidor fiel do cinema em todos seus formatos e gêneros, amante de rock e do gênero fantástico, roteirista amador e graduando em química.

4 comentários em “Triângulo do Medo (2009)

  • 19/09/2016 em 20:47
    Permalink

    Este filme é muito bom sim. Mas… é uma cópia de Crimes Temporais (Los cronocrímenes), 2007, filme espanhol de Nacho Vigalondo! Obviamente o filme estadunidense possui mais recursos, mais truques para envolver o expectador, ao passo que o espanhol é simples, de baixo (baixíssimo?) orçamento e aposta apenas na boa ideia do roteiro e na boa performance do protagonista.

    Acabei ficando muito chateado por Triângulo do Medo ter estragado a experiência de assistir a Crimes Temporais sem ter noção do desenvolvimento da história.

    Estranho é que nunca vi citarem a relação entre os dois filmes em nenhuma crítica que li até agora (o IMBD relaciona os filmes como do mesmo tipo).

    Fica a dica para a próxima crítica do site.

    Resposta
    • 19/09/2016 em 20:53
      Permalink

      Ah, o filme não é realmente dos EUA. Estão o plágio está perdoado! hehe

      Resposta
      • 05/10/2016 em 10:19
        Permalink

        rsrsrrss.. então só conta como plágio se for EUA ? haha… ainda não vi esse Los cronocrímenes, deve ser bacana.

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien