Conheça o documentário “Room 237”, sobre O Iluminado

A desconstrução do clássico de 1980.
A desconstrução do clássico de 1980.

Dirigido por Rodney Ascher, o documentário Room 237 explora as teorias sobre os significados escondidos do longa O Iluminado, de Stanley Kubrick. Com lançamento nos Estados Unidos marcado para o dia 29 de março pela IFC Films, o documentário já foi exibido em diversos festivais e se tornou uma sensação em Cannes, Toronto, Nova Iorque e Chicago, além de ter vencido o prêmio de Melhor Edição no IDA Documentary Awards.

Após o fracasso de bilheteria de Barry Lyndon, Stanley Kubrick decidiu embarcar em um projeto com maior apelo comercial. O Iluminado, o maior sucesso comercial e de crítica de Stephen King até então, parecia ser a escolha perfeita. Após uma produção árdua, o filme de Kubrick foi lançado no verão de 1980; as críticas foram mistas, mas a bilheteria, depois de um começo morno, acabou engrenando. Fim da história? Dificilmente. Nos trinta anos desde o lançamento do filme, emergiu um culto considerável de devotos ao Iluminado, fãs que afirmam ter decodificado as mensagens secretas do filme, que tratam desde o genocídio de nativos americanos a conspirações governamentais. O sarcástico e provocativo Room 237 mistura fato e ficção através de entrevistas com cultistas e estudiosos, criando uma desconstrução caleidoscópica do clássico de Kubrick, até hoje controverso.

Confira abaixo dois pôsteres e o trailer da produção!

(Visited 30 times, 1 visits today)
Silvana Perez

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno.

2 comentários em “Conheça o documentário “Room 237”, sobre O Iluminado

  • 05/05/2013 em 12:01
    Permalink

    sei não ,será que vai prestar.

    Resposta
  • 23/03/2013 em 11:00
    Permalink

    Muito ‘da hora’ esse trailler, com o videocassete fazendo as vezes do elevador! A propósito, há um vídeo no Youtube (“THE SHINING – SOMETHING IN THE RIVER OF BLOOD “) que especula sobre a presença de um objeto em meio à cascata de sangue. Falha (instrumento esquecido no local) ou mensagem através de um obscuro de cena? Será que o documentário fala a respeito? No aguardo, por aqui.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien