Visitor Q (2001)

Visitor Q (2001) (2)

Visitor Q
Original:Bijitâ Q
Ano:2001•País:Japão
Direção:Takashi Miike
Roteiro:Itaru Era
Produção:Seiichiro Kobayashi, Susumu Nakajima, Reiko Arakawa
Elenco:Kenichi Endo, Shungiku Uchida, Kazushi Watanabe, Shôko Nakahara,Fujiko, Jun Mutô

“O que você sabe dos adolescentes de hoje em dia? “. E ele responde incisivamente: “Eles se dizem o futuro do Japão. Um futuro sem esperanças!”

Depois de ter sido expulso por má conduta pelos carrascos morais do Facebook, resolvi me manifestar sobre o modo de vida dos falsos moralistas que infectam o mundo com suas mentiras e máscaras de bem estar escrevendo esta resenha sobre como a sociedade é semelhante a um chiqueiro; e nada melhor que escrever sobre o pai do desconforto cinematográfico, Takashi Miike, e sua obra-prima Visitor Q. Produzido em 2001, esta loucura japonesa que leva a assinatura de Miike (Ichi the Killer, Audition) foi parcialmente inspirado em Teorema, de Pier Paolo Pasolini. Visitor Q (Bijitâ Q, no original) retrata, de forma bizarra, a crise de uma família burguesa no Japão e como a própria mascara suas feridas sociais com status elevados e boas vestimentas.

Kiyoshi Yamazaki (Kenichi Endo) é um jornalista que busca realizar uma reportagem sobre o crescimento da violência e do sexo no Japão. Para “aquecer” a matéria ele toma uma atitude um tanto extrema: começa realizando relações sexuais com sua própria filha, que é prostituta, e filmando seu filho sendo humilhado e agredido por colegas de escola em sessões intermináveis de bullying escolar. Para completar este quadro de “família feliz“, seu filho desconta sua frustração espancando a mãe, que é viciada em heroína e que se prostitui para manter o vício, que é “escondido” da família.

Visitor Q (2001) (1)

A trama ultrapassa o limite do bizarro com a chegada de um estranho visitante, o “visitante Q“, que após alvejar a cabeça de Kiyoshi com uma pedrada o leva para casa enquanto acompanha os comportamentos bizarros e provoca mudanças no seio da família Yamazaki. Conhecido por seu também bizarro Audition (1999), Miike nos apresenta uma violenta parábola sobre a convivência cultural no Japão pós-moderno e, através da bizarrice desenfreada que o diretor expõe sem nenhuma maquiagem moral, toda a crise da sociedade japonesa do século XXI tendo em foco a desagregação íntima da família burguesa tradicional.

O que torna os filmes de Takashi Miike tão assustadores não são os mortos , mas, sim, os vivos com seus dramas bizarros e perversões sexuais. Em Visitor Q você pode esperar de tudo: incesto, necrofilia, drogas, sexo grupal e uma cena espetacular onde a matriarca dos Yamazaki praticamente inunda um cômodo da casa esguichando leite materno como se fosse um chafariz. (como uma mulher com peitos tão pequenos pode produzir tanto leite? Preciso fazer uma viagem ao Japão urgentemente!!!)

A crítica cultural em Visitor Q é tão explicita quanto as perversões sexuais que ele expõe. Logo na cena de abertura, em que Kyoshi começa a fazer sexo com sua filha, ela pergunta: “O que você sabe dos adolescentes de hoje em dia?“. E ele responde incisivamente: “Eles se dizem o futuro do Japão. Um futuro sem esperanças!

Se no “Teorema” de Pasolini regredir ao estado primal era como sentir-se nu e desesperado no deserto, para Miike a regressão talvez seja recolocar seus personagens em um estágio tão primal quanto animalesco, e que talvez seja a única chance de redenção para este seu circo familiar. Com o estigma da violência e da degradação o “visitante Q” estabiliza a normalidade familiar exatamente como os médicos presenteiam a vida aos recém-nascidos com um tapa no bumbum! Pai e filhos sugam nos seios de uma mãe curada de cicatrizes e vícios que a sociedade lhes impunham enquanto todas as feridas (físicas e psicológicas) desaparecem por completo. A união familiar prevalece como se voltasse ao estágio fetal, onde a repressão social lhes era desconhecida e a única ordem a ser obedecida era a de viver bem entre os seus.

(Visited 2.082 times, 2 visits today)
Iam Godoy

Iam Godoy

Escritor, colunista, fotógrafo, libertino, subversivo e um porra-louca sem noção do perigo. Comanda desde 2013 o site Gore Boulevard, antro de clássicos e bagaceiras sangrentas.

Um comentário em “Visitor Q (2001)

  • 21/07/2016 em 01:21
    Permalink

    Bizarro e Extremo , mais um ótimo filme de Takashi Miike .
    ” Visitor Q ” também está na minha coleção !

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien