Falsidade (2019)

3.7
(3)

Falsidade
Original:Vals / Vicious
Ano:2019•País:Holanda
Direção:Dennis Bots
Roteiro:Alexandra Penrhyn Lowe, Tjebbo Penning, Mel Wallis de Vries, Pieter van den Berg
Produção:Maaike Benschop, Petra Goedings, Edwin Goldman
Elenco:Romy Gevers, Abbey Hoes, Olivia Lonsdale, Holly Mae Brood, Gijs Blom, Thijs Boermans, Niek Roozen, Shahine El-Hamus, Jelka van Houten

Se existe algo que antecipa o desastre em produções do gênero, é o conceito básico dos amigos que alugam uma casa para passar o fim de semana. Geralmente são lugares ermos, com dificuldade de comunicação, e a sensação incômoda de não encontrar meios de sair dali quando uma ameaça se revela. Em muitos dos casos, eles descobrem que não estão sozinhos, e em quase todos os exemplares a índole verdadeira dos presentes é revelada na proposta claustrofóbica envolta em desespero. Considerado “o primeiro thriller jovem adulto da Holanda” (não sei quais os méritos disso), Falsidade (Vals, 2019) propõe um desafio de paciência aos mais exigentes, acostumados com uma leva de exemplares, com o mesmo argumento, muito mais eficientes e ousados.

Quatro amigas resolvem passar um fim de semana “de meninas“, antes das provas finais. São elas: a recatada Kim (Romy Gevers), a amigona Abby (Abbey Hoes), a madura Feline (Holly Mae Brood) e a intensa Pippa (Holly Mae Brood, com uma feição parecida com a da Bruna Marquezine, o que torna a experiência de acompanhar o filme bem melhor). O local desértico escolhido é um casarão em Ardenas, na Bélgica, que pertence à família do affair de Abby, Casper (Gijs Blom). Antes de chegar à casa, o longa ainda destila mais alguns clichês: elas param o veículo para abastecer em um posto de gasolina isolada, onde Kim busca um banheiro e se sente vigiada, até o aparecimento do atendente (Just Meijer), na figura de um caçador. Quase se acidentam duas vezes, com jovens rapazes que serão convidados por Pippa a participar da festa, incomodando Feline.

Assim que chegam à casa, com Kim notando um estranho símbolo como Apanhador de Sonhos, já se cria um conflito com a divisão de quartos. Kim desejava dividir o espaço com Abby, mas Pippa a fez ficar com Feline. Posteriormente os rapazes chegam para momentos de bebedeira, música e danças, à exceção de Feline, que se afasta. Depois que Kim, claustrofóbica devido a um episódio da infância, é presa no banheiro e sente a presença de um homem na janela, o ambiente desanda de vez. Feline é atacada e desaparece; depois é a vez do cachorro Bully. Revelações trazem uma tensão grande entre as meninas, com descobertas de traições, de segredos até então bem guardados e algumas mentiras. Em uma delas, Pippa conversa secretamente com alguém que fora registrado no celular dela como Fantasma, facilitando a descoberta da identidade dessa pessoa bastando que você se atente ao nome dos personagens ou ao simples fato de não existir quase não nenhuma outra opção.

A dúvida que acompanha a produção é quanto à pessoa que atacou Feline, matou o cachorro e trancou Pippa na sauna. Seria algum invasor, alguns dos rapazes estranhos, aquele atendente do posto de gasolina ou uma delas? É esse o principal mistério de Falsidade, bem dirigido por Dennis Bots, a partir de um enredo sem grandes surpresas de Alexandra Penrhyn Lowe, com a colaboração de Tjebbo Penning e Pieter van den Berg, com inspiração em um romance bem conceituado de Mel Wallis de Vries. É um thriller sem muita profundidade, com quase nenhum sangue, que pode servir para que você exiba aos parentes pré-adolescentes como introdução ao subgênero.

Com boas atuações, principalmente da amarga Holly Marquezine Brood, e uma ambientação gélida e nebulosa, com a neve servindo de apoio à sensação de insegurança, Falsidade encontra-se disponível na Amazon Prime como uma opção simples e facilmente descartável.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 3.7 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.