The Bray Road Beast (2018)

5
(1)

The Bray Road Beast
Original:The Bray Road Beast
Ano:2005•País:EUA
Direção:Seth Breedlove
Roteiro:Seth Breedlove, Mark Matzke
Produção:Adrienne Breedlove, Seth Breedlove
Elenco:Lyle Blackburn, Linda S. Godfrey, Jay Bachochin, Larry Bray, Bob Bray

A Small Town Monster tem produzido documentários bem interessantes sobre lendas e mistérios em vilarejos e cidades do interior dos EUA. Alienígenas, Pé Grande, monstros diversos como o Homem Mariposa de Point Pleasant, o Momo de Missouri, Minerva, de Boggy Creek e até a bruxa da família Bell já serviram de temáticas para suas produções, com a dublagem sempre tétrica do experiente autor, produtor e músico Lyle Blackburn. Em 2018, foi lançado uma obra de investigação sobre a conhecida Besta da Bray Road, criatura constantemente avistada na região rural de Wisconsin, nas proximidades da comunidade de Elkhorn. Trata-se de um dos grandes mistérios que envolvem a região e que anualmente atraem curiosos em busca de registros e desafios de coragem.

O documentário, de 66 minutos, expõe sobre a origem do lobisomem, passando por breves relatos de sua presença em várias mitologias, e também mostra inicialmente o quanto Wisconsin é um local de inúmeros de relatos sobre aparições, avistamentos e encontros com criaturas bizarras. Então, ele apresenta a principal condutora do material exposto, a investigadora e pesquisadora Linda S. Godfrey, que na década de 90 trabalhava como colunista em um jornal, quando surgiram os primeiros contatos com a Besta da Bray Road, alcunha que ela mesma deu, a partir do que coletara. A partir de então, ela escreveu o livro The Beast of Bray Road: Tailing Wisconsin’s Werewolf, lançado em 2014, com a base de toda a sua pesquisa. Além dela, o investigador paranormal Jay Bachochin, fundador da The Wisconsin Paranormal Investigators, contribui com o que descobriu a respeito para dar ao material uma maior profundidade.

Dividido em capítulos curtos, não exatamente com informações cronológicas, The Bray Road Beast fala sobre o tal lobisomem, com diversas animações e desenhos, e sem muitas evidências. Embora a tal criatura ronde a estrada de 6km, e vagueie por algumas fazendas, não há um sequer registro em foto ou vídeo do que poderia ser. Até mesmo alguns moradores que diziam basicamente encontrar com o lobisomem todas as noites pareciam não se importar em usar o celular para gravar as aparições que ocorreram nos últimos dez anos; somente um rapaz, que foi para o local sem saber muito a respeito, resolveu fazer registros, mas o máximo que capturou foi uma névoa, sem nada que comprove sua existência.

Talvez por essa narrativa se basear apenas em relatos de causos e o histórico da região, o infernauta, mesmo os mais fãs de obras lincatrópicas, pode ficar um pouco decepcionado. O material em si é muito bem orquestrado e editado por Seth Breedlove, a partir de um próprio roteiro seu com Mark Matzke, explorando ambientações tétricas, lugares onde a mata cresce de maneira mais densa. Contudo, falta a ele um aspecto mais assustador e convincente. De qualquer forma, é bem mais interessante que aquele terror trash, The Beast of Bray Road (2005), que explora a identidade do lobisomem e a região onde habita. Esse, sim, deve ser uma vergonha para quem reside nas proximidades da estrada Bray.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.