Toc Toc Toc: Ecos do Além (2023)

4.3
(16)

Toc Toc Toc: Ecos do Além
Original:Cobweb
Ano:2023•País:EUA
Direção:Samuel Bodin
Roteiro:Chris Thomas Devlin
Produção:Seth Rogen, Roy Lee, Evan Goldberg, Jon Berg, James Weaver, Christopher Woodrow, Andrew Childs, Josh Fagen, Connor DiGregorio
Elenco:Antony Starr, Lizzy Caplan, Woody Norman, Cleopatra Coleman, Aleksandra Dragova

… Repararam bem em tudo o que lhes disse? Então devem lembrar-se que lhes declarei ser excessivamente nervoso, e, com efeito, eu o sou. Portanto, em plena noite, no meio do silêncio terrível daquela casa, um tão estranho ruído fez com que se apossasse de mim um irremissível terror. Durante alguns minutos ainda, contive-me e continuei calmo. Mas o ruído era cada vez mais forte, sempre mais forte!…

O trecho acima foi retirado do conto O Coração Delator (The Tell Tale Heart) de Edgar Allan Poe, originalmente publicado em 1843, e conta a história de um homem atormentado por ruídos, após assassinar seu patrão idoso e esconder o corpo embaixo do piso. Levemente inspirado nessa obra, tivemos recentemente nos cinemas brasileiros o lançamento de Cobweb, produção dirigida pelo estreante Samuel Bodin e estrelada por dois protagonistas de peso: Lizzy Caplan (Masters of Sex) e Antony “Homelander” Starr (The Boys).

O filme começa com o jovem Peter (Woody Norman, Sempre em Frente) sendo acordado à noite por batidas na parede de seu quarto. Obviamente, os pais não acreditam no garoto, que ainda precisa lidar com outros problemas, como o constante bullying na escola e um peculiar medo de aranhas. Porém, com os barulhos se tornando cada vez mais frequentes e a reação de seus pais ficando cada vez mais agressiva, Peter começa a suspeitar que eles estejam escondendo alguma coisa.

Cobweb (me recuso a utilizar o título em português, que alcança níveis cômicos de bizarrice) me agradou bastante, pelo menos em sua maior parte. A trama é bastante ágil e envolvente, e o diretor Samuel Bodin consegue criar uma atmosfera de tensão de forma muito competente. De onde vêm esses ruídos? O que escondem os pais de Peter? Qual a relação da família de Peter com a garota que desapareceu no Halloween? Essas perguntas vão lentamente construindo o ritmo, ao mesmo tempo em que o filme constantemente conjectura sobre quem seria o verdadeiro vilão da história, e se este é sobrenatural ou real.

Mas, sem sombra de dúvidas, o maior destaque de Cobweb vai para suas atuações. Eu sou um produto dos anos 90, então sempre enxergarei a Lizzy Caplan como a Janis Ian, de Meninas Malvadas. Então quando testemunho uma atuação sensacional como a que ela entrega aqui, não tem como não ficar de queixo caído. Alternando medo, paranoia e desespero, sua Carol só não é a melhor personagem do filme por um só motivo: Antony Starr. Não é nenhuma novidade para quem acompanha The Boys, mas a capacidade que nosso eterno Homelander tem de dominar a tela toda vez que aparece é algo absurdo. Em uma das melhores cenas, a professora de Peter (Cleopatra Coleman, em uma atuação bem meia-boca) vai até a casa do garoto checar como ele está. Toda a sequência faz o espectador prender a respiração, e muito disso vem da sensação incômoda de nunca saber o que Starr fará no instante seguinte.

ATENÇÃO: SPOILERS LEVES A SEGUIR, PROSSIGA POR SUA CONTA E RISCO

Justamente pelas atuações tão certeiras de Caplan e Starr, o terceiro ato acaba sendo um dos pontos negativos do filme. Após uma cena muito bem construída envolvendo veneno para ratos, o foco é desviado da dupla para um determinado personagem. Por mais que a sequência de home invasion (que é bem absurda, diga-se de passagem) seja bem construída, com uma direção muito certeira em não mostrar completamente o vilão, os últimos minutos acabam sendo explícitos demais, e o ritmo acaba ficando até arrastado, em um grande overexplaining. Acredito que se fossem retirados os últimos 10 minutos, mostrando e explicando menos, o resultado ficaria bem mais interessante.

Apesar desse revés que acaba comprometendo o desfecho como um todo, Cobweb é uma produção que me surpreendeu bastante, principalmente quando dá espaço para seus protagonistas (?) brilharem. Inicialmente travestido como mais uma produção boba de espíritos e ecos do além, é uma bela adição ao ano de 2023 e vale a pena a conferida.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 4.3 / 5. Número de votos: 16

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Avatar photo

Ciro Oliveira

Médico por opção, palmeirense por emoção e amante de slashers por vocação. Foi introduzido ao cinema de horror sendo assombrado pelo boneco Chucky na infância, e se apaixonou pelo gênero após descobrir todas as identidades de Ghostface. Acredita que não há nada melhor para relaxar do que assistir universitários sendo eviscerados por um mascarado velocista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *