Artigos

Um Inquilino na Casa que Pingava Sangue

Qual seria meu destino se eu fosse o próximo inquilino da casa, pois a mansão reflete sempre a personalidade do novo morador…

A Casa que Pingava Sangue (1971) (7)

“Na verdade, não tenho horror ao perigo, exceto no seu efeito positivo, o terror.” – Edgar Allan Poe

Atenção! O texto a seguir contém detalhes sobre o filme, inclusive revelando o final dos episódios.

Quem de nós que, pelo menos uma vez na vida nunca sonhou em habitar uma casa bem aconchegante, afastada do “turbilhão apressado da humanidade“, distante da turba enfadonha e mesquinha da sociedade?

Uma bela casa muito bem ornamentada repleta de mobiliário antigo, peças de artes, lareira, biblioteca contendo os mais diversos livros com as obras dos nossos autores prediletos… Ah! Como seria bom sentar-se no conforto de uma poltrona “Luís XV“, aquecido pelo fogo de uma lareira e passar uma tarde de inverno, lendo Heine, Poe, Milton, Azevedo, Nietzsche, John Keats, e tantos outros! Afinal, somos mais afeiçoados com os mortos do que com os vivos. Estes mortos pelo menos deixaram como legado à humanidade o seu pensamento, e como disse um dia Baudelaire, o pai dos poetas malditos: “O que é criado pelo espírito, é mais vivo do que a matéria.

Quanto aos vivos, nossos contemporâneos para variar, precisamos fugir deles para bem longe de suas maldades e calúnias, pois a todo instante que nos atracamos com eles, somos acusados de algum crime que não cometemos!

Ah! Uma bela casa de campo seria o refúgio ideal contra esses ignóbeis. Assim isolado, teríamos mais tempo para os nossos mortos, assim e somente desta forma poderíamos aprofundar na sabedoria dos antigos e mergulhar num universo concebido por estes gênios, e de lá do nosso refúgio anti-social, se fosse preciso, praguejaríamos contra toda a mediocridade da sociedade, saboreando uma fina taça com vinho do Porto, safra de 1930!

A Casa que Pingava Sangue (1971) (2)

Nossa casa tem muito de nós, ela reflete nossa personalidade, nossos sonhos e aspirações, e isto porque não moramos em uma casa ideal ao nosso temperamento, pois se fosse o caso, tenho certeza que habitaríamos castelos medievais que são os que mais se aproximam de nós.

Para se escrever uma boa obra, um escritor precisa de quietude, precisa por força isolar-se da realidade que o cerca para de fato mergulhar em seu interior, e de lá de seu subconsciente transcrever para o papel o caráter verdadeiro de seus personagens.

Quando assisti pela primeira vez o filme A Casa que Pingava Sangue (1970), comecei a refletir melhor estas questões e o meu gosto pela propriedade apurou-se de maneira muito significativa, imaginando qual seria meu destino se eu fosse o próximo inquilino da casa, pois a mansão reflete sempre a personalidade do novo morador.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (13)

Então mergulhei no pesadelo, vi o meu ser habitando aqueles aposentos confortáveis, vi a imensa sala de estar com belas poltronas que dariam a mim o conforto necessário, mas vi também minha ruína…

Sem piedade, o meu fim seria idêntico ao de todos aqueles antigos inquilinos. Não sei o caso dos senhores, mas acredito que não fugiriam da regra, visto que parecem serem afeiçoados com o terror e possuírem identidade forte com o sobrenatural!

A casa é um espetáculo deslumbrante, fica localizada em um local afastado da cidade, idêntica a do clássico Os inocentes (1961). Ela é rodeada por uma floresta repleta de árvores, entre elas o “loureiro sagrado“, usada pela Inquisição para queimar as feiticeiras.

Mas antes mesmo de entrarmos no assunto sobre feitiçaria, vamos primeiro conhecer todos os detalhes que caracterizam a casa em si, e analisarmos a primeira das quatro histórias de horror que compõe o filme.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (8)

A exemplo do clima de terror, a própria trilha sonora já assusta em um ritmo psicótico, em notas de piano marteladas onde o efeito acústico ora se prende em lentidão de suspense e ora dispara como se fosse um golpe de punhal nas costas!

A melodia prende o espectador e faz o mesmo mergulhar dentro das cenas do filme, mas o efeito sinistro da música acaba tocando no nosso subconsciente transportando o clima de terror do filme para nossa própria casa…

Confesso que até hoje ainda não assisti outro filme de terror onde a trilha sonora pudesse envolver-me de forma tão perturbante em nosso próprio caráter com as cenas do horror.

A Casa que Pingava Sangue (1971)

Envolto nesta horripilante trilha sonora, o filme A Casa que Pingava Sangue nos apresenta pequenos detalhes que merecem ser reforçados neste escrito como as imagens em formas de sombras escuras, estátuas que parecem observar os transeuntes, uma cena onde se vê um crânio sobre o livro “Drácula“, ou breves sequências onde se observam obras de Edgar Allan Poe. Ou ainda uma altiva águia de bronze que parece contrastar com o rosto de um anjo esculpido nos traços dos desenhos de Gustavo Doré, completando uma estranha decoração repleta de objetos que parecem ter vida própria, enchendo o interior da casa de uma sinistra atmosfera envolta nos mais recônditos mistérios do além.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (9)

Os primeiros inquilinos são um simpático casal que procura a tranquilidade do campo. O marido é um escritor dedicado de histórias de terror, especialista em crimes e mortes violentas, que escreve como dizia Nietzsche, “com sangue, pois sabe que o sangue é espírito“. Seu personagem principal chama-se Dominique, um estrangulador louco e psicopata que fugiu do hospício. Ele não só cria o personagem para sua história, mas o desenha num esboço, a imagem de seu “sócio no crime” que vai ajudar a faturar nas vendas da obra.

O filme começa a transportar o espectador para o inconsciente do personagem central que no caso é o marido escritor, que também possui seu personagem, o estrangulador Dominique!

Sinistra é a aparição de Dominique, mais imaginária que real, que materializa-se em passos no assoalho, pequenos ruídos, gargalhadas e por fim, surge do oculto para roubar o desenho dele mesmo, guardado na gaveta da escrivaninha do escritor, que atormentado fuma vários cigarros e toma bons tragos de whisky scothland, para acalmar os ânimos e o próprio medo de seu personagem, que parece ter saído de dentro dos seus escritos.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (10)

Sua esposa bela, mas muito falsa por sinal, no fundo não passa de uma mulher canalha que tem um amante e com ele trama o assassinato do psiquiatra que está fazendo o tratamento das perturbações de seu marido, no caso, as aparições de Dominique.

O doutor, em seu gabinete de consultas, afirma ao seu paciente que quase sempre os personagens que criamos são uma continuidade inconsciente da nossa própria personalidade, e que na vida real estas coisas não existem… De repente surge Dominique e estrangula o doutor e em seguida seu paciente, o autor de Dominique…

Na casa – a casa que pingava sangue como diz o próprio título do filme – está a esposa traidora a olhar-se no espelho e logo surge seu amante, retirando a máscara de Dominique forjada por eles para provar a insanidade do marido.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (4)

Mas para o espanto desta mulher, seu marido também havia sido estrangulado, e Richard, seu amante, parecia possesso por algo diabólico. “Richard? Meu nome é Dominique!”, ele exclama e mata estrangulada também a mulher que havia tramado os crimes…

Só este pequeno curta metragem já fez valer o título do filme, que prossegue agora com o segundo episódio, estrelando o nobre e veterano do horror, o já falecido Peter Cushing, no papel principal.

O personagem é um aposentado solitário que aprecia quietude e sossego. Ele muda-se para a casa e costuma ocupar muito bem o seu tempo, afinal é um excelente jardineiro pois adora cuidar de plantas. Lê muito, parece um autodidata em filosofia e literatura, enfim, um homem culto e letrado. Como se não bastasse as duas ótimas qualidades, ele ainda ouve música! Uma obra de Franz Schubert faz-se ouvir em sua vitrola, “Der tod und das madchen” ou “O túmulo da donzela“, obra composta para quarteto de cordas, onde a harmonia toca na alma do espectador, transportando para um cenário idílico e romântico, sobre forma de arrebatamento.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (5)

Eu leio, cuido da jardinagem e ouço música“, realmente quem é nobre sabe aproveitar bem seu tempo. Sigamos o seu exemplo para um dia quem sabe, alcançar sua refinada nobreza!

Solitário, o personagem perambula pelo pequeno centro da cidadezinha mais próxima até que depara-se com um museu de cera dos horrores… Ali encontra lúgubres e horrendas figuras de cera e no meio do pesadelo depara-se com Salomé, a linda, a bela Salomé com uma bandeja na mão onde a cabeça de João Batista está exposta, já decepada do corpo.

Salomé foi um tema bastante explorado na literatura. Temos a narração bíblica para quem não conhece a história, e temos também a imoral e irreverente peça de teatro de Oscar Wilde, onde logo no primeiro dia de estreia foi proibida em Londres e por toda parte onde ia ser apresentada, devido talvez ao seu caráter imoral e mórbido, onde a princesa Salomé beija os lábios de João Batista já decapitado, fazendo uma forte alusão à necrofilia, além do erotismo sensual da personagem central que é Salomé.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (3)

O compositor Strauss, também inspirado no mesmo tema, compôs “Salomé“, uma ópera em dois atos inspirada na peça de Oscar Wilde, o excêntrico dandy irlandês.

Ela é linda, não é verdade? A minha Salomé…“, exclama o dono do museu ao visitante, que sai dali perturbado com aquela boneca de cera. Mais tarde, um amigo visita-o na casa, ambos parecem terem no passado um amor em comum. Esse amigo depois entra também no museu e fica hipnotizado por Salomé.

O desfecho é simples. Primeiro este novo personagem, o amigo visitante, é assassinado no museu, tendo sua cabeça decepada e posta na bandeja de Salomé. Depois, é o próprio inquilino da casa que pingava sangue quem é a vítima. Ele luta com o dono do museu e encontra a morte, e sua cabeça também passa a fazer parte do sinistro acervo do museu de cera dos horrores!

A Casa que Pingava Sangue (1971) (6)

No terceiro curta metragem, Christopher Lee entra em cena no papel de um pai severo e rude, que tem uma filhinha orfã de sua mãe que provavelmente era uma feiticeira. Aqui, novamente o terror é explícito sobre o cenário da enigmática casa onde os aposentos parecem ser testemunhas dos estranhos acontecimentos ali ocorridos…

A filhinha do novo inquilino, que parece ser uma garotinha tímida e reprimida, tem para sua educação a companhia de uma linda governanta que parece ensinar a garota a superar seus traumas, em especial o medo das chamas do fogo. A garotinha ganha então alguns presentes e em especial uma boneca. De repente o pai, o rude e severo pai, rouba das mãos da menina a boneca e atira-a no fogo da lareira. A boneca derrete sobre as chamas, e o pai teme que sua filha siga a mesma inspiração da falecida mãe, que era uma bruxa diabólica… A garota magoada chora, e sua governanta não entende a estranha atitude do pai.

A Casa que Pingava Sangue (1971) (11)

Chove forte, trovões estralam lá fora, relâmpagos reluzentes clareiam a noite, falta luz elétrica, é hora de acender velas, mas o pai constatou que faltavam algumas delas, e a garotinha, que mais parece um anjinho, faz um boneco de cera de acordo com as antigas fórmulas de feitiçaria, a saber:

Malefício da figura de cera

“Pede um pedaço de cera virgem, amolece-o em água quente, modela então com ele uma figura, pensando intensamente na pessoa que queres enfeitiçar. Enquanto fazes isto, pronuncia com veemência estas palavras; “fulano de tal, em tua semelhança faço esta esfinge para que a ela fiques amarrado, de tal maneira que o teu corpo seja o seu corpo e o seu seja o lugar de todas as sensações”. Se tens cabelos, algum dente ou amparas de unhas provenientes da pessoa que estás enfeitiçando, põe na figura, e se possui roupas, faz um pequeno vestuário que lembre a vítima. Disposta assim a figura, uma noite, à hora de Saturno, atravessa-a em todos os sentidos com agulhas ou espinhos, cobre-a de injúrias e maldições em nome do demônio Guland imaginando firmemente que tens à tua frente a mesma pessoa de corpo e alma; joga por fim o boneco de cera ao fogo… Se tudo isto fizeres como digo, pondo toda a tua fé e força, não duvides de que assim como a cera se derreterá e consumirá, assim também padecerá a pessoa, sofrendo dores agudas até a morte.”

Seguindo os ensinamentos, a garota vinga-se do pai carrasco torturando-o com agulhas espetadas no boneco de cera e por fim ela também joga o boneco ao fogo, como o pai havia feito com sua boneca de brinquedo recebida da governanta. O pai morre de uma maneira horrível…

A Casa que Pingava Sangue (1971) (12)

No quarto e último episódio, aparece um canastrão de filmes de horror, um galã da década de 1970 que aluga a casa. Ele, depois de muita briga no estúdio de cinema, acaba comprando em um antiquário uma capa de vampiro legítima. Ao vestir a capa para a atuação nos papéis de vampiro, ele transforma-se num vampiro de verdade e seu túmulo passa a ser o porão da própria casa.

Mais tarde, o corretor de imóveis dá as chaves da casa a um invocado investigador de polícia que está exatamente tentando solucionar o enigmático desaparecimento de um astro do cinema. O maluco dirige-se então à casa numa noite nada convidativa para uma visita. Ao entrar na macabra casa, ele é surpreendido pelo vampiro e por sua companheira, também atriz de cinema, que atuava em seus filmes e era uma vampira de verdade também.

Assim acaba o filme, em uma cena bastante lúgubre de vampirismo

Novamente a casa está para ser alugada e eu cismei de novo no meu destino se eu fosse o próximo inquilino….

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *