O Castelo de Frankenstein (1958)

O Castelo de Frankenstein (1958) (7)

O Castelo de Frankenstein
Original:Frankenstein 1970
Ano:1958•País:EUA
Direção:Howard W. Koch
Roteiro:Richard H. Landau, Charles A. Moses, Aubrey Schenck, Mary Shelley, George Worthing Yates
Produção:Aubrey Schenck
Elenco:Boris Karloff, Tom Duggan, Jana Lund, Don 'Red' Barry, Charlotte Austin, Irwin Berke, Rudolph Anders, Norbert Schiller, John Dennis, Mike Lane

Durante o final da década de 1950, a frequente exibição na televisão americana de velhos filmes fotografados em preto e branco sobre a criatura de Frankenstein, estrelados por Boris Karloff e dos coloridos produzidos pela inglesa Hammer, ajudou a reacender a chama de um novo ciclo de horror em Hollywood. Entre os muitos filmes produzidos de baixo orçamento, dois foram inspirados na famosa personagem criada por Mary Shelley, I was a teenage Frankenstein (1957) e Frankenstein’s daughter (1958). A produtora Allied Artists decidiu então modernizar a clássica história e lançou em 1958 o filme O Castelo de Frankenstein (Frankenstein 1970), chamando Boris Karloff para o papel principal. Ao contrário de seus filmes anteriores, ele interpretou o cientista criador, Barão Victor von Frankenstein, deixando o papel da criatura para Mike Lane.

Seu último filme para a produtora havia sido The Ape em 1940, quando o estúdio ainda se chamava Monogram (somente em 1953 mudou o nome para Allied Artists).

O Castelo de Frankenstein (1958) (1)

O Castelo de Frankenstein mostra o último elemento vivo da família Frankenstein, o Barão Victor von Frankenstein, interpretado pelo genial Boris Karloff, tentando recriar a lendária criatura concebida muitos anos antes por seu ancestral. Seu castelo na Alemanha foi palco de perseguições durante a Segunda Guerra Mundial e ele tornou-se prisioneiro de um campo de concentração nazista por quinze anos, sofrendo violentas torturas dos soldados alemães, deixando no corpo do veterano barão marcas profundas, como cicatrizes no rosto e ferimentos na perna direita. Com o propósito de conseguir dinheiro para poder comprar um reator atômico que lhe daria energia para seus experimentos, ele permite que uma rede de televisão americana realize um filme sobre sua família utilizando seu castelo gótico como cenário. Ele próprio participa do filme em uma cena onde faz um discurso (fora do script original) verdadeiramente memorável. O cientista está na cripta subterrânea do castelo, onde estão enterrados seus ancestrais e após a leitura de um texto inscrito em uma lápide, ele inicia seu depoimento macabro. Seguem as palavras inscritas na sepultura:

Richard Freiherr Von Frankenstein I (1702-1761) – Eu, Frankenstein, comecei meu trabalho no ano de 1740, com a melhor das intenções e esforço, com o elevado propósito de pesquisar os segredos da vida em si e conseguir o melhor para a humanidade.

O Castelo de Frankenstein (1958) (2)

E seu discurso em seguida:

Do que adiantou isso, meu querido ancestral? É,… primeiro ele tinha que aprender do que a carne é feita, ele teria que descobrir a arte de transplantar órgãos vitais de seres humanos para suas criaturas, costurando os pedaços até que tivesse todos os atributos da vida concebida por Deus. É claro… eu tenho que admitir… talvez ele não tenha sido muito escrupuloso a respeito de onde ele conseguia a matéria bruta. Mas, após 17 anos, seus esforços foram finalmente compensados. Ele criou um ser com vida. Mas para seu horror, ele descobriu que havia criado apenas um monstro, horroroso, forte, com um cérebro perverso, com um único pensamento de sobreviver. E para sobreviver ele matou, matou, matou e matou de novo. Até se transformar na imagem do diabo encarnado. Aí ele percebeu que o que havia criado teria que ser morto. Mas por ter sido seu criador, não sentiu remorsos de destruí-lo. Aí está, dentro daquele sarcófago. Nesta tumba, bem no fundo da terra, ele enterrou a sua criatura, a sua criação, no antigo túmulo onde foram enterradas várias gerações de sua família. Ele o fechou aqui para todo o sempre. Os seus órgãos vitais foram destruídos para que nunca mais nenhum outro mortal pudesse desafiar a Deus, o único e verdadeiro criador, ao qual pedimos misericórdia e perdão.

O monólogo foi interpretado com tamanho realismo pelo barão que os membros da equipe de filmagens se assustaram. Ele passa então a trabalhar secretamente em seu laboratório oculto embaixo da cripta, pois estava decidido a dar novamente vida à criatura selada na sepultura por seu ancestral. Enquanto trabalhava, um gravador registrava suas palavras:

O Castelo de Frankenstein (1958) (3)

Quinta-feira, dia 28, 3 horas. Voltando ao trabalho. Como resultado da retirada da carne do crânio, mantendo-o limpo e na temperatura exigida, os ossos se tornaram cristalizados. Agora iniciarei a reconstrução da fisionomia… assim que eu quiser… Mãos perfeitas, ambas verdadeiras e com transplantes de pele sintética. Poros abertos e normais. Tonalidade e textura dos tecidos firmes, não apresentando deterioração. Movimentos dos pulsos estáveis. Aguardando cirurgia plástica posterior para a retirada de todas as cicatrizes. O corpo apresenta um perfeito estado de conservação. Agora, pronto para os passos finais, para os transplantes cirúrgicos dos órgãos vitais necessários para completar a última etapa antes da utilização do reator atômico para reproduzir a vida.

O mordomo do barão, Shuter (Norbert Schiller), descobre acidentalmente o laboratório e é morto, sendo seu cérebro e coração transplantados para a criatura. Os registros das experiências prosseguem:

O Castelo de Frankenstein (1958) (4)

Agora cortando a aorta e as cavidades inferior e superior. Sistema automático de transfusão continua a fornecer sangue fresco. Ambos os corpos recebendo oxigênio. Os órgãos recentemente transplantados permanecem vivos e saudáveis. O coração retirado. Está recebendo massagem constante. Agora colocando-o no lado esquerdo do peito. Suturando a aorta na cavidade do coração. Mas prosseguindo com massagem ininterrupta durante a cirurgia. Mantendo o pulso e a circulação artificial do sangue no ritmo normal… O cérebro de Shuter está restaurado. Todas as membranas intactas. Continuidade entre a medula e o cordão espinhal restaurada. Cerebelo fechado e tudo reparado para as ligações padrões através da técnica microscópica.

A criatura estava finalmente pronta para receber vida e com a chegada do reator atômico, o barão pode finalmente realizar seu sonho insano.

Hora, 21:27. Temperatura da cápsula atômica, 7o C. Radiação normal. Agora estou ligando o gerador atômico de vapor. Ligando agora o tubo. Temperatura em 52o C. Grau de vapor em 3,6. Prosseguindo a experiência muito bem. Hora, 22:03. Toda a radiação acabou. Zero no mostrador.

O Castelo de Frankenstein (1958) (5)

E a criatura estava revivida, porém sem a visão. Para obter os olhos, ela assassinou dois membros da equipe de televisão. Mas por motivos científicos seus olhos não puderam ser aproveitados, cabendo a Wilhelm Gottfried (Rudolph Anders) a doação forçada dos mesmos. Ele era um velho amigo do barão e que por suspeitar de suas experiências, foi morto e seus olhos transplantados para o moderno monstro que estava sendo criado. E sua próxima vítima seria a estrela feminina da equipe de filmagens, Carolyn Hayes (Jana Lund), mas a criatura acaba poupando a vida da jovem garota e se volta contra seu criador.

Enquanto o barão e o monstro se confrontam, o reator atômico é acidentalmente acionado espalhando radiação pelo laboratório. Criador e criatura morrem.

O Castelo de Frankenstein (1958) (6)

O Castelo de Frankenstein tem uma história alternativa interessante dentro do sub-gênero do cinema de horror que aborda a temática da criatura homônima criada pela escritora Mary Shelley em 1818. Com elementos de ficção científica num roteiro ambientado em 1970, um futuro para a época da produção (que é de 1958), o filme explora uma combinação de horror gótico com o medo da era atômica, e tem a presença sempre marcante do imortal ator Boris Karloff, dessa vez como o cientista criador e não como o famoso monstro, que foi o papel que o consagrou na história do gênero.

(Visited 123 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Um comentário em “O Castelo de Frankenstein (1958)

  • 06/04/2015 em 19:07
    Permalink

    a ultima vez em que este filme passou na TV Aberta foi na TV Gazeta na sessão de filmes
    intitulada ” Cine Gazeta ” em 1991.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien