Caçador de Mentes – Mindhunter (2017) – 1ª Temporada

Caçador de Mente - 1ª Temporada
Original:Mindhunter - Season One
Ano:2017•País:EUA
Direção:David Fincher, Andrew Douglas, Asif Kapadia, Tobias Lindholm
Roteiro:Joe Penhall, John Douglas, Mark Olshaker, Jennifer Haley, Erin Levy. Tobias Lindholm, Dominic Orlando, Ruby Rae Spiegel, Carly Wray
Produção:Jim Davidson
Elenco:Jonathan Groff, Holt McCallany, Stacey Roca, Hannah Gross, Anna Torv, Sonny Valicenti, Cotter Smith, Phil Nardozzi, Cameron Britton, Joe Tuttle, Alex Morf, Joseph Cross, Marc Kudisch, Happy Anderson, Duke Lafoon

Entender a mente de um psicopata sempre foi o Santo Graal dos psicólogos criminais. Desde os tempos do uso regular da trepanação e dos primeiros estudos da mente e da biologia genética, imaginava-se que seria possível controlar a agressividade e posteriormente evitar que assassinos andassem camufladamente entre os cidadãos de bem. Contudo, foi somente na década de 70 que foram feitos trabalhos intensivos de análise comportamental, que permitiram entender padrões dentro de uma nova nomenclatura que, entre outras, deu origem à expressão “serial killer“. É um estudo fascinante, sempre explorado pelo cinema e pelas séries de TV, e que desperta curiosidade pelo contexto proposto, trazendo debates interessantes sob diversos prismas. Se o tema já pode ser considerado um bom chamariz, Mindhunter ainda tem como fator atrativo a produção executiva (e a direção de alguns episódios) de David Fincher, que tem na filmografia os excepcionais Seven: Os Sete Crimes Capitais (1995) e Zodiáco (2007).

Trata-se de um dos projetos mais bem desenvolvidos pela Netflix. Inspirado no livro Mindhunter: Inside the FBI’s Elite Serial Crime Unit, escrito por John E. Douglas e Mark Olshaker – representados pelos dois protagonistas -, Mindhunter começou a ser imaginado em 2009, quando a atriz Charlize Theron ofereceu a publicação para Fincher, e ambos acreditavam que seria de interesse da HBO. O cineasta considerava, em suas palavras, que a TV era um caminho que ele desconhecia, até desenvolver com muita sobriedade a fantástica House of Cards. Quando, em 2015, a Netflix adquiriu os direitos pela obra, teve início a pré-produção, com as filmagens realizadas em 2016 para somente ser disponibilizada em outubro do ano seguinte. O resultado extremamente favorável, com 97% de aprovação no site termômetro Rotten Tomatoes, conduziu a série a uma inevitável segunda temporada.

Produção de Fincher e investigação de assassinos em série são conexões prematuras que o público irá fazer antes de acompanhar o primeiro episódio, na expectativa de ver uma série embebida em violência desmedida e com aspectos de um thriller policial convencional. Não é a proposta de Mindhunter. A série propõe uma análise realmente comportamental, baseada em estudos reais e entrevistas com verdadeiros assassinos, e, inclusive, refaz com precisão as falas e características dos envolvidos. É uma viagem bem feita ao final dos anos 70, eloquente, dinâmica, com diálogos afinados e personagens bastante reais, mas que também pode propor arrepios, se você criar empatia pelos acontecimentos. Além de ser viciante!

Em 1977, o agente especial de negociações com criminosos do FBI, Holden Ford (Jonathan Groff), falha miseravelmente durante o contato com o criminoso Cody Miller (David H. Holmes) em Braddock, Pennsylvania, culminando em seu suicídio. Embora acredite no sucesso de sua ação, pela preservação da vida da refém, Ford é rebaixado a uma função interna, sendo obrigado a lecionar para novos agentes. Sem conseguir despertar a motivação de seus alunos, ele conhece Bill Tench (Holt McCallany), que lhe propõe aulas móveis, visitando delegacias pela América para orientar policiais no trato com criminosos. Ele também conhece em um barzinho a estudante de sociologia Debbie Mitford (Hannah Gross), com quem inicia uma relação de troca de experiências em seus estudos, servindo como uma reflexão dos acontecimentos e descobertas.

Ao mesmo tempo em que desenvolvem suas aulas – com momentos inspirados, como o do episódio inicial, quando Ford chega a dizer que Charles Manson é uma vítima de seu passado e provoca a ira de um oficial -, Ford e Bill são chamados por detetives para ajudar a desvendar assassinatos na região. Frank McGraw (Thomas Francis Murphy), que havia tumultuado a aula na posição sobre Manson, traz detalhes de um crime que envolve estupro e morte, pedindo pelo apoio da dupla. Além desses mistérios a serem solucionados, com interrogatórios e investigação, Ford inicia também um projeto pessoal de entrevistas com assassinos. O primeiro contato é com o terrível Edmund Kemper (Cameron Britton), que, entre 64 e 73, assassinou seus avós, sua mãe e cinco estudantes, e também violentou sexualmente seus corpos.

Com uma alta estatura e uma frieza absoluta, Ed Kemper se mostra falante, inteligente e bastante lúcido, estabelecendo o pontapé inicial da degradação psicológica de Ford. Na mesma região, em Sacramento, Ford e Bill investigam um crime envolvendo o assassinato de uma idosa e seu cachorro, com o padrão de uma ação repetida, permitindo a solução posterior do crime e a evolução dos estudos, embora haja sempre a interferência ou os questionamentos do chefe da unidade Shepard (Cotter Smith), que os coloca em um escritório no porão da agência. Logo, a equipe irá adquirir um novo membro, a especialista em ciências sociais Dra. Wendy Carr (Anna Torv), que trará algumas discussões sobre a importância de manter os estudos distante dos holofotes – o que não irá acontecer – além dos financiamentos que precisam para desenvolver o setor Ciências Comportamentais e até contratar funcionários como o agente puxa-saco Gregg Smith (Joe Tuttle).

A dinâmica da produção de Joe Penhall, com o apoio de ótimos argumentos de Erin Levy e Jennifer Haley, entre outros, faz de Mindhunter uma série repleta de alternâncias e possibilidades. Além dos crimes que funcionam como monstro da semana, e das entrevistas com mentes perigosas como o agressivo Richard Speck (Jack Erdie) – que chega a matar um pássaro diante dos agentes e provoca uma fala pouco convencional de Ford -, o que se considera inocente Jerry Brudos (Happy Anderson) e o ocasional Monte Rissell (Sam Strike), a série apresenta em conta-gotas os passos de um assassino em seu prólogo, desde a escolha das vítimas ao material que será usado no crime. Há também um mistério envolvendo a residência de Wendy Carr, que parece intrigada com um gato que se esconde na escuridão de uma janela na lavanderia, além dos conflitos internos como acusação e discussões sobre a postura de Ford, influenciando, inclusive, seu relacionamento.

Afetado pelo trabalho, Ford passa de um oficial atrapalhado nos episódios iniciais a um que consegue perder a confiança de todos a sua volta. As longas conversas com os assassinos e suspeitos de crimes da época aos poucos começam a mudar seu linguajar e o trato com outras pessoas – uma reflexão que já era proposta em Zodíaco. Tal consequência é beneficiada pela boa atuação de Jonathan Groff, tendo como ápice os últimos minutos da temporada, com ele completamente descabelado e sem gravata. Holt McCallany, atuando como “irmão mais velho“, também tem momentos complexos com o que envolve a relação familiar, após a adoção de um menino especial (confesso ter ficado um pouco chateado quando ele justificou a falta de brincadeiras com o pequeno por ele “não ser divertido“, pelo fato de eu ter um filho também com características similares).

Com uma excelente equipe técnica e boa escolha de trilhas (Psycho Killer, do Talking Heads, por exemplo), a primeira temporada de Mindhunter vale por cada um dos dez episódios. Não é apenas mais uma série sobre assassinos em série, mas uma que retrata de maneira absoluta o período (racismo e sexismo são bastante evidentes) e ainda propõe grandes reflexões sobre padrões de comportamento em relação a atitudes violentas.

(Visited 410 times, 1 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien