Críticas

O Convite (2015)

Suspense intrigante que consegue manter o interesse até os minutos finais, ainda que recorra a alguns dos mesmos expedientes do gênero

The Invitation (2015) 1

The Invitation
Original:The Invitation
Ano:2015•País:EUA
Direção:Karyn Kusama
Roteiro:Phil Hay, Matt Manfredi
Produção:Martha Griffin, Phil Hay, Matt Manfredini, Nick Spicer
Elenco:Logan Marshall-Green, Tammy Blanchard, Michiel Huisman, John Carroll Lynch, Emayatzy Corinealdi, Aiden Lovekamp

“Não há nada o que temer”

Criar um bom e bem sucedido suspense é um desafio e tanto no cinema contemporâneo. Deve haver cuidado na construção da atmosfera. O mistério não deve ser simplista demais nem muito desafiador. O roteiro deve ser bem amarrado. Enfim, uma tarefa árdua para qualquer cineasta. Não por acaso que Alfred Hitchcock continua sendo sempre lembrado como o mestre do gênero, suas maiores obras datando dos anos cinquenta e sessenta. Dessa maneira, foi com grata surpresa que fui conferir O Convite, o mais novo longa de Karyn Kusama (Garota Infernal) que, apesar de previsível aqui e ali, é capaz de entregar uma obra capaz de funcionar em diversos níveis.

Permeado por tons de vermelho, que aqui ganha um caráter permanentemente ominoso, o longa segue o drama de Will (Marshall-Green), um homem traumatizado pelo passado. Após dois anos sem ver a antiga esposa Eden (Blanchard) – igualmente fragilizada pelo trauma em comum -, ele e sua nova namorada (Corinealdi) recebem um estranho convite justamente de Eden e de seu novo marido  para um jantar na antiga casa onde o casal vivera. Juntam-se ao quarteto alguns amigos em comum do casal, e mais dois esquisitos membros de um grupo de auto-ajuda para pessoas com culpa. Tendo que lidar com o forte peso do passado na casa onde sua tragédia pessoal ocorreu, Will ainda une à dor das lembranças uma sinistra desconfiança acerca de Eden e do inusitado jantar. Desconfiança essa que é partilhada pelo espectador. Aliás, Marshall-Green é o grande destaque do elenco. Ganhando inevitavelmente o posto de protagonista do suspense, o ator confere peso ao seu personagem, gerando grande empatia do espectador que acaba sendo essencial para que o longa funcione bem, já que, para todos os efeitos, vemos e interpretamos o que se passa na tela através do olhar de Will.

Entretanto, nem tudo são flores. Em determinados instantes, o roteiro parece carecer de substância, recorrendo sem sucesso a certas obviedades, como a inclusão, ainda que necessária para o plot, do personagem Choi, que entra e sai de cena sem ninguém perceber. As cenas de gato-e-rato próximas ao desfecho também ganham um ar genérico que quase esfria o clima construído anteriormente. Por outro lado, o longa é meritoso ao incluir, por exemplo, um casal gay de maneira orgânica e ao manter o interesse constante mesmo o espectador facilmente adivinhando o que o longa acaba entregando.

Com uma cena final elegante e digna de um grande terror, O Convite é um thriller empolgante e tenso, ainda que não consiga manter o mesmo fôlego durante toda sua duração.

Leia também:

Marcus Augusto Lamim

Marcus Augusto Lamim

Um seguidor fiel do cinema em todos seus formatos e gêneros, amante de rock e do gênero fantástico, roteirista amador e graduando em química. Contato: [email protected]

20 Comentários

  1. kaio

    Melhor filme de suspense de 2016!!! Atuações excelentes, ritimo na medida certa, cenas desconfortantes, diálogos afiados…

  2. Louize

    Olhei sem saber absolutamente nada do filme so como indicaçao da netflix e ó achei bem ruim. Previsivel do início ao fim.

    (Editado pelo moderador por conter spoiler)

    • Luis

      Então Louize?
      Não te incomoda ser babaca dessa maneira não ô filha da p…? Pra que contar o final do filme nos comentários sem mais nem menos assim?

      • Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos

        O comentário a que se refere foi editado para eliminar o spoiler.

        Desculpe-nos por deixar essa passar! São tantos comentários que um ou outro acaba escapando! 🙁

  3. Tadeu

    Achei médio pra ruim!

    Atuações, na média, pouco convincentes, principalmente do ator principal! História mal contada, mesmo sendo lenta, o que deveria ter ajudado! Final óbvio, já sabia do final desde o início, não teve qq mistério! Trilha sonora boa!

  4. E.T.

    Filme muito bom !! Principalmente o final, com a chegada dos extraterrestres!!

    • Lucas

      Que extraterrestre rapaz? q film vc assistiu???

  5. esse filme é o muito otimo eu to completamente apaixonada ,filme bem dirigido perfeito

  6. Gustavo

    Resumo do filme: Gente conversando, Gente conversando, um mistério que não prende a atenção, gente conversando, suspense que não funciona, gente conversando, suspense que não funciona, gente bebendo vinho, gente conversando, 10 minutos finais movimetados, fim.

    É isso que vocês chamam de filmaço?

    • mik

      Não, você que é burro mesmo.

    • Bruna

      Sim, é um filme foda, do tipo qie traduz a palavra cinema. Ignorantes como vc nunca vão saber apreciar essa arte. Volte pros Vingadores e seja feliz kkkkk

  7. Renato santos

    O filme é bem arrastado, dificil não ficar querendo q passe logo aquilo tudo, ele até tem a desconfiança do protagonista a todo momento que causa tensão mas que, quando era pra ele usa-la a seu favor , se perde.
    O final foi meio sem pé nem cabeça por falta de explicação (e mudança de comportamento) do roteiro, deu a entender q eles teriam q matar para acabar com o sofrimento próprio, devido as atitudes depois do ocorrido com o veneno, eles iriam se matar na mesa, mas ficou parecendo que seria um sacrificio só, e q eles ficariam vivos, meio q foi enrolado isso aí.

    • mik

      SPOILERS!!!

      O propósito da seita era o suicídio, e dá até pra ver no vídeo do líder da seita no computador que ele se despede do casal louco pra vê-los futuramente (no além, algo assim). Então, eles iam se livrar do sofrimento próprio e, supostamente, do sofrimento que eles achavam que os outros tinham (como essas outras pessoas não eram da seita, era “permitido” matar, na visão deles). Isso é bem comum nessas seitas, sempre tem gente que não quer morrer ou muda de ideia na última hora e acaba sendo morto pra cumprir os propósitos coletivos.

  8. Diego Gabriel

    UAU. FIlmaço. Desenvolvimento lento mas com um clima de tensão crescente, o que torna o último ato muito mais impactante. Gostei MUITO.

  9. Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos

    O filme é bastante interessante, mas pesa a mão em algumas situações que ficam forçadas demais. Mas muito acima da média e bem mais interessante do que a maioria das porcarias que chegaram ao cinema este ano. Uma pena ter ido direto pro Netflix.

    • palavras sábias

  10. Leandro S. Pires

    Uauuu…estava procurando um filme assim!!! Uma mistura de frieza e paranoia que vai do começo até o fim, A trilha sonora contribuiu bastante para me deixar na expectativa do que iria acontecer, e valeu a pena esperar até o grande desfecho. Na minha opinião, Karyn Kusama se redimiu porque Garota Infernal foi muito bobinho.

  11. Thiago

    Velho!! QUE FILME! O desenrolar lento do filme pode afastar alguns, mas eu achei perfeito! Desde a primeira cena você fica se perguntando o que pode estar por trás daquela estranha reunião, e o medo do que pode vir pela frente. Ao mesmo tempo você se pergunta se não é tudo paranóia sua e do protagonista todas as suspeitas levantadas sobre o estranho comportamento dos anfitriões. Confesso que já tinha visto um filme com uma premissa parecida anteriormente, o que me fez antecipar de certa forma o final, mas mesmo assim achei que foi muito bem executado, e os ótimos atores só contribuiram para isso. Vale cada minuto!

    • Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos

      Me lembrou um pouco “O Último Jantar”, embora com uma premissa bem diferente. Já viu?

      • mik

        Eu já e esse filme é demais! Claro que com um toque de humor que o tenso The Invitation não tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *