Críticas

A. I.: Inteligência Artificial (2001)

Se Kubrick ainda estivesse vivo, com sua visão de um mundo decadente e com pouco espaço para conclusões otimistas, o filme tomaria outros rumos!

A.I.: Inteligência Artificial
Original:Artificial Intelligence: AI
Ano:2001•País:EUA
Direção:Steven Spielberg
Roteiro:Brian Aldiss, Ian Watson, Steven Spielberg
Produção:Bonnie Curtis, Kathleen Kennedy, Steven Spielberg
Elenco:Haley Joel Osment, Jude Law, Frances O’Connor, Sam Robards, Jake Thomas, William Hurt, Ken Leung, Clark Gregg, Kevin Sussman, Tom Gallop

Em 07/09/01 entrou em cartaz nos cinemas a ficção científica A. I. – Inteligência Artificial (A.I. – Artificial Intelligence), dirigido por Steven Spielberg, num projeto em parceria com o genial cineasta Stanley Kubrick (que faleceu antes do início das filmagens), a partir de uma história do escritor Brian Aldiss. Participam do elenco o garoto Haley Joel Osment (de O Sexto Sentido), em outra excelente performance, e o jovem Jude Law (do drama de guerra Círculo de Fogo), além de Frances O´Connor, Sam Robards e o experiente William Hurt.

O menino Osment interpreta o robô David, que foi criado para sentir emoções e que tem a capacidade de amar. Num futuro não muito distante, o planeta sofreu uma grande inundação nas cidades litorâneas devido ao derretimento das calotas polares pelo superaquecimento do sol através do efeito estufa. A natalidade passou a ser controlada pelos governos e as grandes empresas de robótica criaram então androides como filhos para as famílias que por algum motivo não podiam ter suas crianças. O robô David foi concebido como a mais sofisticada versão da robótica com capacidade de sentir o amor, e ele foi então passado a uma família cujo filho estava em estado de congelamento devido a uma enfermidade terminal, aguardando o despertar num momento de tecnologia mais favorável à cura.

Após um tempo de adaptação para todos no relacionamento de David com os pais (O´Connor e Robards, um funcionário da empresa que concebeu o pequeno robô), o filho “real” do casal acaba despertando e se junta novamente à família, gerando alguns conflitos e um incidente que leva os pais a abandonarem David à mercê dos perigos de uma civilização preconceituosa contra as máquinas. A partir daí, o pequeno robô, ajudado por um outro androide (Law) criado como amante sexual dos humanos, parte em busca de seu espaço num mundo hostil e seu sonho de se tornar humano e ter seu amor reconhecido pela mãe.

Os efeitos especiais são magníficos como já é de se esperar numa produção de Spielberg, destacando-se as cenas de uma New York inundada onde apenas os prédios mais altos estavam acima do nível do mar, lembrando um outro filme similar, Waterworld, com grandes cidades totalmente submersas. A história do robô com sentimentos e que quer se tornar humano, no estilo do conto de fadas “Pinóquio“, lembra também outro filme de FC, O Homem Bicentenário, com Robin Williams e baseado em obra do escritor Isaac Asimov.

E Spielberg sabe muito bem como contar uma história de entretenimento, a exemplo dos outros filmes de Ficção Científica que dirigiu, Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977) e E.T. – O Extraterrestre (1982), de onde percebe-se inspirações para esse Inteligência Artificial. Ele abusou um pouco do sentimentalismo e o filme se arrasta em alguns momentos em seus longos 146 minutos, e certamente se Kubrick ainda estivesse vivo, com sua visão de um mundo decadente e com pouco espaço para conclusões otimistas e “felizes“, o filme tomaria outros rumos. Mas, como cinema de entretenimento, a especialidade indiscutível de Spielberg, ele funciona bem e cumpre seu papel.

Nota: O filme foi exibido pela primeira vez na televisão aberta em 29/12/04, pela TV Globo, às 22:30 horas, na sessão “Cinema Especial“, que acontece às quartas-feiras em ocasiões especiais, quando não há a exibição de algum jogo de futebol.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *