Críticas, Televisão

Ash vs Evil Dead – 2ª Temporada (2016)

Em uma temporada mais coesa e movimentada, a série consegue se superar em relação ao ano anterior

Ash Vs Evil Dead - 2ª Temporada
Original:Ash Vs Evil Dead - Season Two
Ano:2016•País:EUA, Nova Zelândia
Direção:Rick Jacobson, Tony Tilse, Michael J. Bassett, Mark Beesley, Rick Jacobson
Roteiro:Craig DiGregorio, Cameron Welsh, Noelle Valdivia, Ivan Raimi, William Bromell, James E. Eagan, Hank Chilton, Suzanne Keilly, Aaron Lam, Jennifer Ames, Steve Turner, Luke Kalteux
Produção:Aaron Lam
Elenco:Bruce Campbell, Ray Santiago, Dana DeLorenzo, Lucy Lawless, Joel Tobeck, Lee Majors, Stephen Lovatt, Michelle Hurd, Ted Raimi, Ellen Sandweiss

Atenção: O texto abaixo contém spoilers da Temporada 1

Causando uma excelente impressão em 2015, foi com certa surpresa que a segunda temporada de Ash vs. Evil Dead foi anunciada… Surpresa porque em um formato tão incomum, tão politicamente incorreto e tão violento, talvez o americano médio não tivesse mais o interesse em prosseguir com as aventuras de um anti-herói beberrão, misógino e perturbado como Ash Williams, porém não somente a série foi renovada quanto em seu segundo ano os produtores parecem ter encontrado um excelente equilíbrio nas histórias, tanto a principal quanto as secundárias, inserindo novos elementos e novidades absurdas, aprimorando ainda mais o que já era muito bom.

No final da temporada anterior, Ash Williams (Bruce Campbell) fez um acordo com a misteriosa Ruby (Lucy Lawless), em que ele sairia livre com seus amigos Kelly (Dana DeLorenzo) e Pablo (Ray Santiago) para uma vida tranquila em Jacksonville em troca do Necronomicon. Ruby prometeu libertar os espíritos malignos lá contidos, porém mantendo-os sob seu controle. Apesar das inúmeras formas de isto dar errado, Ash aceita o trato e segue para Jacksonville.

Algum tempo depois o clima é de festa e aposentadoria para Ash, e ele está curtindo uma boa vida como sempre sonhou, mas evidentemente os deadites resolvem aparecer e destruir os sonhos do velho fanfarrão, que ainda está com a posse da adaga Kandariana, uma das poucas armas capazes de destruir o Necronomicon. Forçado a voltar a ação, o trio se manda para o provável paradeiro de Ruby, Elk Grove – cidade natal da família Williams – onde se encontram com o pai de Ash, Brock (Lee Majors), que ainda o culpa pelos eventos ocorridos há 30 anos (no massacre do filme original), assim como quase a totalidade dos moradores da cidade.

Crente de que foi Ruby quem quebrou o acordo, o grupo a encontra ferida no crematório da cidade, alegando que seus filhos demoníacos a traíram, forçando-a a ocultar o livro dos mortos de um mal ainda maior, seu ex-marido, o poderoso demônio Baal (Joel Tobeck), que estava preso no inferno e é capaz de se ocultar por baixo da pele de qualquer ser humano normal, criando uma paranoia ao estilo de O Enigma de Outro Mundo. A corrida pelo Necronomicon está lançada: de um lado uma aliança improvável entre Ruby, Ash e seus amigos e do outro Baal e seus asseclas tentando trazer o inferno para a Terra.

Mesmo que nenhum episódio da segunda temporada possa ser comparado com o irretocável piloto, a impressão é que a nova temporada possui mais coesão entre os episódios, acertando o tom que o formato de 10 episódios de meia-hora de duração pode passar. O resultado são menos pontos mortos, o espectador se sente menos enrolado e a trama segue em frente com histórias paralelas que fazem sentido no contexto da série. Sem entregar spoilers relevantes, esperem ver carros possuídos, bonecos de pano psicóticos (outro dos destaques da temporada e uma compra certa na loja de souvenires), demônios de toda sorte e até viagens no tempo!

O elenco também tem adições muito bem-vindas e investe em memoráveis cenas de escatologia e humor, especialmente as envolvendo o pai de Ash, brilhantemente interpretado por Lee Majors (O Homem de Seis Milhões de Dólares). Seu papel e sua interação com Bruce Campbell explica com uma simplicidade cativante como a personalidade de Ashley Williams foi moldada na infância, tornando-se o pária que é hoje em dia. Outra grata participação está no retorno de Ellen Sandweiss voltando ao papel da irmã de Ash, Cheryl Williams, e de mais um irmão de Sam Raimi, o versátil Ted Raimi como um dos grandes amigos de Ash em sua cidade natal.

A violência permanece no mesmo nível e os efeitos especiais continuam dignos de menção, mas uma melhora significativa nos cenários e na iluminação fazem bastante diferença da temporada anterior. Para mim, as modificações que foram feitas no clássico carro Delta para se passar por um veículo possuído são tão impressionantes que deveriam servir de modelo para qualquer próximo filme que fizerem sobre um carro assassino (um remake de Christine, talvez?). Um banho de competência para produções de orçamento maiores que insistem no uso indiscriminado de computação gráfica.

Com uma repercussão ainda mais favorável que no ano anterior, desta vez não precisamos esperar tanto pois a terceira temporada já está confirmada para o final de 2017, e se os rumos da série continuarem com a mesma despretensão e alegria desta segunda, pode considerar este um sucesso garantido. Hail to the king, Baby!

Leia também:

5 Comentários

  1. Helton

    Incrível!

  2. A primeira temporada foi incrível , mais a segunda temporada foi muito MELHOR !
    A segunda temporada é muito foda , é perfeita , tem mais Gore , mais humor negro , o Ash está mais louco do que nunca , tem o retorno da sua irmã , o destino do seu pai e melhor amigo , temos várias reviravoltas , lugares e cenários muito interessantes , a conexão com o clássico e sua sequência e muito mais .
    Nota : 5 caveiras .
    ” Ash Vs Evil Dead ” as duas temporadas orgulhosamente fazem parte da minha coleção , e estou muito ansioso pela terceira .

  3. david

    Simplesmente fantástica, está td ali que gostamos de ash e evil dead, td impecável, repleta de referencias e homenagens, que venha temporadas e temporadas

  4. david

    Simplesmente fantástica, está td ali que gostamos de ash e evil dead, td impecável, repleta de referencias e homenagens, que venha temporadas e temporadas

  5. Ahnoronn

    Além do método tradicional… Que quero esperar lançarem um box com todas as temporadas que houverem, alguma dica de onde assistir? :X

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *