Day the World Ended (1955)

0
(0)

Day the World Ended
Original:Day the World Ended
Ano:1955•País:EUA
Direção:Roger Corman
Roteiro:Lou Rusoff
Produção:Roger Corman
Elenco:Richard Denning, Lori Nelson, Adele Jergens, Mike Connors, Paul Birch, Raymond Hatton, Paul Dubov, Jonathan Haze, Paul Blaisdell

“O que você está prestes a ver pode nunca acontecer… mas para esta época ansiosa em que vivemos, apresenta um temível aviso… Nossa história começa com… O FIM!”

O produtor e diretor americano Roger Corman é uma lenda do cinema fantástico bagaceiro, mestre em fazer filmes de horror e ficção científica com orçamentos minúsculos e resultados divertidos. Day the World Ended (1955) é um de seus primeiros filmes, tanto na produção quanto direção, com fotografia em preto e branco, curto (só 79 minutos), e com aquela típica história já manjada pós-apocalíptica explorada à exaustão, sobre o medo e a paranoia da guerra nuclear com o fim do mundo na conturbada década de 50 do século passado, um período de grande tensão após a Segunda Guerra Mundial, principalmente entre as maiores potências Estados Unidos e antiga União Soviética, como evidencia o prólogo no início do filme e reproduzido acima.

Após uma guerra nuclear que devastou o mundo, um pequeno grupo de pessoas teve a sorte de sobreviver ao holocausto, pois estavam numa região protegida por reservas de chumbo no solo. Eles se encontram numa casa rural isolada, de propriedade de Jim Maddison (Paul Birch), um militar que participou de exercícios com testes de bombas. Ainda fazem parte do grupo, sua filha Louise (Lori Nelson) e seu par romântico, o geólogo Rick (Richard Denning), um casal de namorados em constantes brigas, formado pelo inescrupuloso playboy Tony Lamont (Touch Connors) e a dançarina de boate Ruby (Adele Jergens), além de um velho minerador à procura de ouro, Pete (Raymond Hatton), sempre na companhia de seu burro de estimação Diablo, e um homem doente contaminado pela radiação, Radek (Paul Dubov), que foi resgatado da névoa radioativa.

Enquanto estão presos na casa, aguardando pela possibilidade de eventual fuga com segurança para o exterior, eles especulam sobre os perigos do novo mundo atômico e tentam se situar diante da gravidade que assolou o planeta após o “dia em que o mundo acabou”. Além também de lidarem com a monotonia, falta de esperança, depressão e os inevitáveis conflitos internos por interesses pessoais e instinto de sobrevivência, questões que podem se tornar ainda mais desafiadoras do que a própria luta contra a morte por radiação fora das paredes da casa.

Por outro lado, os efeitos destrutivos da guerra com bombas atômicas podem ser responsáveis pelo surgimento de criaturas mutantes assassinas, como o monstro de três olhos e chifres que está circulando pelos arredores da casa à procura de vítimas.

Day the World Ended é um filme de ficção científica bagaceira com elementos de horror, um exemplo típico do que era produzido na década de 1950 com histórias explorando o medo do fim do mundo pela guerra nuclear e seus efeitos catastróficos, como a criação de monstros mutantes tão ameaçadores para a difícil continuidade da espécie humana quanto a exposição à radiação.

Mesmo sendo um filme curto, comum na época, a narrativa é arrastada em vários momentos, perdendo mais tempo ainda com situações banais de conflitos entre os personagens, quando poderiam ser mais exploradas as consequências devastadoras da guerra atômica. Apesar de ser compreensível que devido ao orçamento extremamente reduzido, isso deve ter sido deixado de lado, restando mesmo o consolo das poucas, mas divertidas e memoráveis, cenas envolvendo o monstro mutante tosco.

Entre as várias curiosidades e informações adicionais vale mencionar que Roger Corman só precisou de 10 dias para as filmagens, uma característica que ficou associada ao seu trabalho com orçamentos reduzidos, recebendo o título de “O Rei dos Filmes B”.

O ator Richard Denning (1914 / 1998) esteve em vários filmes bagaceiros divertidos como O Monstro da Lagoa Negra (1954), O Cadáver Atômico (1955), O Escorpião Negro (1957) e Nos Domínios do Terror (1963).

O filme foi lançado nos cinemas americanos junto com a tranqueira The Phantom From 10.000 Leagues, sobre uma pequena cidade atacada por um monstro marinho mutante, alterado geneticamente por radiação.

Teve uma refilmagem em 1969 com o título “In the Year 2889”, de Larry Buchanan.

Como todo filme de monstro dos anos 1950 não faltou a sempre presente e esperada cena da criatura mutante tosca carregando nos braços a mocinha desacordada. E como os efeitos práticos, principalmente os mais antigos e com recursos escassos, por mais bagaceiros que sejam, são muito mais divertidos que a computação gráfica, vale a pena registrar que o monstro foi criado pelo técnico em efeitos especiais Paul Blaisdell, que também estava dentro da roupa de espuma e borracha.

“E os elementos devem derreter com calor ardente. O ozônio da Terra e as obras que estão aí serão queimados. Este é o dia DT. Destruição Total por arma nuclear. E desta hora em diante, o mundo como o conhecemos não existe mais. E sobre todas as terras e caminhantes da Terra pende a névoa atômica da morte. O Homem tem feito o seu melhor para destruir a si mesmo. Mas, há uma força mais poderosa que o Homem e em sua infinita sabedoria poupou você.”

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.