Críticas

A Casa dos Sonhos (2011)

Um thriller fraquinho que tenta contar uma boa história com reviravoltas, mas que não consegue fugir das situações previsíveis e dos clichês

A Casa dos Sonhos (2011)

A Casa dos Sonhos
Original:Dream House
Ano:2011•País:EUA
Direção:Jim Sheridan
Roteiro:David Loucka
Produção:Daniel Bobker, Ehren Kruger, David C. Robinson, James G. Robinson
Elenco:Daniel Craig, Rachel Weisz, Naomi Watts, Elias Koteas, Marton Csokas, Taylor Geare, Claire Geare, Rachel G. Fox, Jane Alexander, Brian Murray, Bernadette Quigley

No dia 04/11/11 tivemos a estreia nos cinemas brasileiros do thriller A Casa dos Sonhos (Dream House), mais um filme tratando do tema fantasmas e casas assombradas, dirigido pelo irlandês Jim Sheridan e com um elenco de nomes conhecidos como Daniel Craig, Rachel Weisz, Naomi Watts e Elias Koteas.

Na história, Craig é Will Atenton, um editor reconhecido que decide deixar o emprego em New York e muda-se para um casarão no interior com a família formada pela esposa Libby (Rachel Weisz) e as duas filhas pequenas, Trish (Taylor Geare) e Dee Dee (Claire Geare). Com o objetivo de ficar mais tempo com a família e escrever um livro afastado da agitação de uma cidade grande, as coisas começam a se complicar quando as crianças informam que viram vultos espreitando a casa, uma vizinha, Ann Patterson (Naomi Watts), age de maneira fria e desconfiada, e ele descobre que sua casa foi o palco de um massacre alguns anos antes, onde um homem chamado Peter Ward foi acusado de matar a tiros a esposa e filhas, sendo posteriormente internado num manicômio.

Analisando rapidamente a presença de um elenco famoso, temos uma sensação positiva de um filme com potencial interesse, mas após conhecer a sinopse, vem a impressão de apenas mais um filme convencional explorando um assunto desgastado. E é exatamente isso que A Casa dos Sonhos é: ótimos atores em um filme típico da sessão Supercine das noites de sábado da TV Globo, um thriller fraquinho que tenta contar uma boa história com reviravoltas, mas que não consegue fugir das situações previsíveis e dos clichês do gênero, com cenas medianas de suspense num resultado pouco empolgante. E ainda temos um erro grotesco da equipe de produção, ao divulgar um trailer repleto de “spoilers” absurdos que certamente prejudicam a tentativa do espectador em ver ver o filme sem informações reveladoras.

Leia também:

3 Comentários

  1. Guilherme

    Pareceu que eram dois filmes diferentes pra mim, a reviravolta foi meio esquisita, acho que era o tipo de coisa que devia ter acontecido no final do filme

  2. Eu tenho esse filme em casa e e bem fraco mesmo.

  3. vanessa vasconcelos

    ÓTIMOS ATORES,E UM FILME SEM SAL.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *