Críticas

O Quarto dos Esquecidos (2016)

Com roteiro fraco e suspense zero, temos aqui uma obra que para o bem do gênero deve permanecer esquecida.

The Disappointments Room (2016)

O Quarto dos Esquecidos
Original:The Disappointments Room
Ano:2016•País:EUA
Direção:D.J. Caruso
Roteiro:D.J. Caruso, Wentworth Miller
Produção:Sam Englebardt, William D. Johnson, Geyer Kosinski, Vincent Newman
Elenco:Kate Beckinsale, Mel Raido, Lucas Till, Duncan Joiner, Gerald McRaney, Michaela Conlin, Michael Landes, Marcia DeRousse, Ella Jones

Uma jovem mulher que teve uma perda familiar recente se muda para uma casa isolada. Ela logo descobre um quarto misterioso no sótão que não consta na planta. Não demora muito para ela encontrar a chave e descobrir que eventos terríveis aconteceram naquele cômodo ao mesmo tempo em que coisas estranhas acontecem na casa. Não, infelizmente não estamos falando do ótimo A Chave Mestra, de 2005, mas do irregular O Quarto dos Esquecidos.

Dirigido por D. J. Caruso, do regular Paranoia, O Quarto dos Esquecidos é um daqueles filmes cuja ideia é até interessante, mas o resultado final é dos mais entediantes possíveis. A mulher em questão se chama Dana (Kate Beckinsale, a vampirona Selena da saga Anjos da Noite). Ao lado do marido David (Mel Raido) e do filho pequeno Lucas (Duncan Joiner), ela se muda para um casarão isolado no meio do nada. O motivo de deixar a vida na cidade grande foi uma tragédia recente na qual a filha de três meses do casal morreu acidentalmente.

The Disappointments Room (2016)

Ao chegar ao novo endereço, Dana começa a perceber coisas estranhas, que vão desde barulhos misteriosos até um sinistro cachorro preto que vira e mexe aparece. Um belo dia ela descobre o quarto no sótão que não consta na planta da casa. É justamente este cômodo que esconde um terrível segredo. E Dana começa a ver pessoas, ou fantasmas, que não deveriam estar na casa. Claro que o marido não vai acreditar nela e todos os demais personagens, como um casal de amigos em visita, vão achar que Dana está louca.

Apesar da justificativa da existência do quarto ou mesmo o que aconteceu lá até ser interessante, tudo é mostrado de forma muito simplória e os mistérios são resolvidos facilmente. Um belo dia, por exemplo, Dana vai até a biblioteca e uma funcionária (Marcia DeRousse, de True Blood) que convenientemente estuda casos de espíritos sofredores praticamente entrega tudo o que está acontecendo na casa.

The Disappointments Room (2016)

Suspense zero, situações constrangedoras na tentativa de provocar medo e Lucas Till (o Havok dos últimos três X-Men) completamente desperdiçado como um marceneiro que passa todas as suas cenas dando em cima de Dana. Some a isso fantasmas sem graça e que não assustam ninguém aparecendo aqui e acolá pela casa. Esta é o resultado de O Quarto dos Esquecidos.

Curiosamente, apesar de tudo isso já bastar para o filme ser considerado uma péssima opção do gênero, ao final temos a impressão de que podemos até ter uma conclusão ousada. Mas assim como tudo no filme, o final de O Quarto dos Esquecidos também decepciona. Vamos então aproveitar o título para dizer que aqui temos uma obra que para o bem do gênero deve permanecer esquecida.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *