Críticas, Literatura

Macabra Mente (2016)

Vitor Abdala mostra em Macabra Mente porque é um dos escritores de horror mais fascinantes desta nova safra da literatura brasileira

Macabra Mente
Original:
Ano:2016•País:Brasil
Autor:Vitor Abdala •Editora: VCA

Após sua excelente estreia como contista de horror em Tânatos – Contos Sobre A Morte e O Oculto (Editora Giostri, 2016) o jornalista carioca Vitor Abdala mal dá tempo do leitor se recuperar e lança sua segunda coletânea de contos, Macabra Mente. O livro traz oito contos de terror, alguns inéditos e outros já publicados em outras coletâneas de autores nacionais, mantendo o mesmo padrão de qualidade e misturando o horror do dia a dia ao terror sobrenatural e fantástico, característica mais marcante do autor.

Macabra Mente abre com o pé na porta trazendo o conto O Barulho na Casa das Máquinas, onde o síndico de um prédio deve verificar a procedência das constantes reclamações de uma inquilina sobre o barulho de alguém se arrastando no andar de cima onde fica a casa das máquinas do prédio.  O conto remete às obras mais viscerais de Stephen King, principalmente àquelas onde o autor americano revisita os quadrinhos da EC Comics, mas sem deixar de lado o horror urbano e cotidiano de Vitor.

Em Zé do Peixe Quer Seu Voto, Vitor mostra aquilo que faz de melhor ao misturar o horror com critica social em uma história sobre um político que, após passar quatro anos sem dar a menor atenção ao povo, ressurge em tempo de reeleição pedindo votos de casa em casa em um bairro humilde e afastado, até se deparar com um estranho eleitor obcecado por anjos. Uma das melhores histórias do livro!

Mantendo a veia política e jornalística do conto anterior, Auto de Resistência coloca uma dupla de policiais corruptos tentando encobrir o assassinato acidental de um jovem durante um confronto em uma favela do Rio de Janeiro. Vitor aproveita-se do fascínio do leitor pelo sobrenatural para denunciar algo muito pior do que fantasmas e criaturas do além: a corrupção e a violência de uma polícia que mata inocentes em meio ao fogo-cruzado de uma guerra sem fim, sem qualquer punição. Pelo menos até agora.

Disco de Vinil retoma o terror fantástico e apresenta um colecionador de discos de vinil que se depara com um estranho e raro exemplar em um sebo. O estranho disco de vinil reproduz uma bizarra melodia que irá testar os limites de sua sanidade. Uma sinistra história que remete aos clássicos causos de músicas que instigam o suicídio e a violência.

Beta mostra um jovem enfrentando seu destino nas “mãos” de seu peixe beta de estimação. O horror absurdo e surreal da história cresce gradualmente, recheando de horror o dia a dia do personagem principal à medida que ele descobre a terrível realidade por trás do seu peixe de estimação.

Em Túmulo de Aço, Vitor nos apresenta seu primeiro conto de horror lovecraftiano mostrando o horror tomando conta de uma plataforma de petróleo prestes a afundar após a terrível descoberta de algo oculto nas camadas mais profundas da crosta-terrestre. Um dos melhores contos de Macabra Mente, Túmulo de Aço possui um ritmo ágil e claustrofóbico que joga o leitor em meio ao caos de maneira subjetiva à medida em que os personagens vão montando o quebra-cabeça e entendendo o que acontece.

Ilha das Focas mergulha o personagem principal em um looping de reencarnações, brincando com a subversão do reconfortante conceito da “vida após a morte” explorado por muitas de nossas religiões. A ironia direta, cruel e visceral da história torna este um dos conceitos mais interessantes explorados por Vitor em seus contos. As histórias de horror devem ser assim!

Fechando o livro, Despachos coloca um jovem maratonista se deparando com o sobrenatural após acidentalmente urinar sobre um despacho em uma encruzilhada. Aqui, Vitor busca o horror em nossas raízes e cultura criando um eficiente conto de terror.

Com contos muito mais diversificados em seus temas do que sua obra anterior, Vitor Abdala mostra em Macabra Mente porque é um dos escritores de horror mais fascinantes desta nova safra da literatura brasileira. Capaz de navegar pelos mais diversos subgêneros do horror, Vitor injeta uma carga de ironia e realidade em suas histórias que tornam a experiência da leitura muito mais interessante e provocante do que a grande maioria das obras de horror com as quais nos deparamos por aí, na literatura, quadrinhos ou cinema.

Ficou interessado? Compre o livro aqui.

Leia também:

4 Comentários

  1. Ramiro Ribeiro

    Após ler esta resenha, comprei o livro na Amazon e voltei para comentar: S E N S A C I O N A L !!! O livro é rápido (lê-se de um fôlego só), os contos são curtos, mas o autor domina muito bem a técnica da escrita, apenas o necessário é descrito, contudo cria-se uma rápida empatia com os personagens e com os acontecimentos macabros que os cercam! Ao final fica um gostinho de quero mais…

    • Demais, né?

      Se gostou desse, compre o outro do Vitor, o Tanatos.

      Você vai adorar também!

  2. Muito legal esse jeito de resenhar comentando os contos! Dá ainda mais vontade de ler!

    • Eu geralmente tento falar do livro como um todo, mas gostei de adotar esse estilo “novo”. Vamos ver se nos próximos eu sigo esta linha também… 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *