Halloween III: A Noite das Bruxas (1982)

Halloween 3 (1982)

Halloween III: A Noite das Bruxas
Original:Halloween III: Season of the Witch
Ano:1982•País:EUA
Direção:Tommy Lee Wallace
Roteiro:Tommy Lee Wallace
Produção:John Carpenter, Debra Hill
Elenco:Tom Atkins, Stacey Nelkin, Dan O'Herlihy, Michael Currie, Ralph Strait, Jadeen Barbor, Brad Schacter, Nancy Kyes, Jonathan Terry

“O horror do Halloween continua na noite em que ninguém voltou para casa.”

A franquia Halloween, criada em 1978 por John Carpenter, é uma das maiores da história do cinema de horror, contando com oito filmes, e o mais recente, Ressurreição, sendo produzido em 2002, além do remake e da continuação do remake. Porém, um dos filmes da série não faz parte do universo ficcional que introduziu o psicopata mascarado Michael Myers para a galeria dos famosos e imortais vilões modernos do gênero. Halloween III – A Noite das Bruxas (Halloween III – Season of the Witch, 1982), de Tommy Lee Wallace, foi lançado pela mesma equipe que criou a franquia, porém apenas aproveitando o sucesso comercial do nome para contar uma história de horror completamente diferente da mitologia da série, com o único evento em comum sendo o fato de ser ambientada durante a época do tradicional Dia das Bruxas americano, no final de outubro.

Mesmo sendo oficialmente um filme com a marca Halloween (ao contrário de uma infinidade de outros filmes que se apropriam indevidamente dos nomes de séries famosas para benefício próprio e interesses comerciais), esse terceiro episódio não traz nenhum dos personagens dos filmes anteriores, os quais eram a base da franquia, como a babá Laurie Strode (a scream queen Jamie Lee Curtis), o psiquiatra Dr. Sam Loomis (o veterano Donald Pleasence) e principalmente o psicopata Michael Myers (o dublê Dick Warlock, que voltou aqui, mas num outro papel menor). Esse fato acabou criando um sentimento incrível de rejeição por parte dos fãs, que certamente não era esperado pelos produtores, transformando o filme numa obra esquecida, abandonada, pouco comentada, muito criticada e relegada eternamente ao limbo dos filmes de horror.

Halloween 3 (1982) (1)

Na verdade, A Noite das Bruxas é um filme injustiçado e não merece essa carga tão grande de desaprovação do público, pois apresenta uma história atrativa, que é independente do universo da série Halloween, mas que traz elementos interessantes de horror, com mortes violentas, se constituindo num bom exemplar do cinema do gênero produzido nos saudosos anos 1980. O único erro grave cometido por seus idealizadores foi certamente a utilização indevida do nome da famosa franquia, numa clara e oportunista atitude de marketing visando apenas o lucro que seria obtido. Talvez se o filme recebesse um nome alternativo desvinculado da série, seu destino poderia ser diferente, encontrando uma aceitação maior e um espaço garantido entre vários outros bons filmes produzidos no mesmo período.

O filme é ambientado no norte da California numa última semana de outubro, antecedendo o tradicional Halloween (Dia das Bruxas), festa comemorada anualmente nos Estados Unidos, e com um enfoque voltado para um horror leve e sutil. O Dr. Daniel Challis (Tom Atkins) é um médico divorciado que enfrenta problemas com o alcoolismo e relacionamentos com sua ex-esposa Linda (Nancy Kyes), que reclama da falta de atenção aos seus dois filhos pequenos. Durante um plantão noturno no hospital, ele testemunha a chegada de um assustado velho ferido, Harry Grimbridge (Al Berry), que diz coisas estranhas e é assassinado no leito por um homem misterioso que se suicida com fogo logo em seguida. Intrigado com este acontecimento bizarro, o Dr. Challis recebe a visita da filha do velho assassinado, Ellie (a jovem e bela Stacey Nelkin), e juntos partem para uma investigação particular sobre o que aconteceu, culminando na chegada à pequena cidade de colonização irlandesa Santa Mira, local controlado por um poderoso e obscuro empresário, Conal Cochran (o irlandês Dan O´Herlihy), dono de uma fábrica de máscaras de Halloween, a Silver Shamrock Corporation.

Halloween 3 (1982) (2)

Eles então entram em contato com algumas pessoas, entre elas o dono do hotel em que se hospedaram, Rafferty (Michael Currie), um igualmente visitante, o bem sucedido vendedor de máscaras em San Diego, Buddy Kupfer (Ralph Strait), e sua família, a esposa Betty (Jadeen Barbor) e o filho (Brad Schacter), uma outra forasteira cliente da fábrica de máscaras, Marge Guttman (Garn Stephens), e um bêbado falador, Starker (Jonathan Terry). A partir daí, uma série de mortes bem violentas começam a ocorrer numa provável ligação com a fábrica de Cochran e seus estranhos capangas de comportamentos suspeitos.

Após uma perigosa investigação, o Dr. Challis e Ellie se vêem obrigados a lutar por suas vidas numa sinistra trama diabólica onde o maquiavélico Cochran, através de sua fábrica de máscaras mortais de Halloween, planeja ressuscitar um antigo ritual de sacrifício envolvendo forças sobrenaturais de uma pedra roubada do santuário de Stonehenge, espalhando o terror em um sangrento infanticídio no Dia das Bruxas, ao implantar nas máscaras das crianças um pequeno dispositivo computadorizado com uma amostra da pedra mística.

Halloween 3 (1982) (3)

Halloween III tem uma história interessante, com elementos de puro horror, magia negra, assassinatos brutais, a figura do tradicional vilão tipo cientista louco, e até ficção científica na introdução de avançados androides como importantes coadjuvantes na trama. As cenas de mortes são bem planejadas e memoráveis com direito a olhos esmagados, cabeça decepada, rosto desfigurado, insetos e cobras saindo do crânio, cabeça perfurada com uma broca, e uma dose de violência que não fica atrás de vários filmes cultuados e produzidos na mesma época.

A música tema da propaganda das máscaras na televisão aparece tantas vezes ao longo do filme, que acabamos gravando sua melodia na mente, e associando sua imagem a uma ideia de tragédia com um massacre de crianças cantando vestidas com as máscaras que lhe tirariam a vida violentamente (Happy, Happy Halloween, Silver Shamrock).

Halloween 3 (1982) (4)

Os enormes computadores e painéis elétricos do laboratório central da fábrica de máscaras trazem lembranças dos antigos filmes de ficção científica dos anos 1950 e 60, com seus aparelhos repletos de luzes piscando para todos os lados.

Uma sequência em especial demonstra bem a insanidade e propósitos maléficos do vilão Cochran, como um verdadeiro e sinistro cientista louco planejando suas atrocidades, quando revela para o Dr. Challis suas intenções:

“Era o início do ano em nossas terras celtas e esperávamos em nossas casas de madeira e barro. Não havia mais barreiras entre o real e o irreal. E os mortos estavam à espreita para sentar perto do fogo. Dia das Bruxas. O festival de Samhain. O último aconteceu há mais de 300 anos e as montanhas ficaram vermelhas com o sangue de animais e de crianças.”

O desfecho de Halloween III foge do tradicional e, mesmo sendo um pouco previsível, a história se conclui de forma satisfatória no ato desesperado do Dr. Challis em tentar avisar as autoridades sobre o desastre que estaria por vir.

Halloween 3 (1982) (5)

Porém, uma falha bastante notável, e que curiosamente já havia acontecido também no filme anterior, dirigido por Rick Rosenthal em 1981, foi a ausência de movimentação no hospital, mesmo durante à noite, permitindo que um assassino transite tranquilamente por seus corredores, mate um paciente e saia sem maiores dificuldades.

Curiosamente, o ator Dick Warlock, que interpretou o psicopata Michael Myers nos dois primeiros filmes da saga, não precisando falar uma única palavra, voltou novamente em Halloween III, numa provável cortesia dos produtores, fazendo um papel similar, na pele de um assassino, além também de ser o coordenador dos dublês e atuar como um deles. E o diretor Tommy Lee Wallace, seguindo a interessante ideia já muito utilizada pelo cineasta Alfred Hitchcock em seus filmes, também faz uma rápida aparição não creditada, como um anunciante de comercial.

Outras curiosidades interessantes incluem um momento em que o Dr. Challis está num bar onde a televisão está ligada e exibindo um desenho animado. Ele pede para mudar de canal e aparece rapidamente uma cena do primeiro filme da saga, Halloween – A Noite do Terror, com a imagem de Michael Myers descendo uma escada, e com o filme sendo apresentado como um clássico imortal oferecido pela propaganda que vem logo em seguida, das máscaras de Halloween da obscura empresa Silver Shamrock. Em outra sequência, quando o mesmo médico está preso e amarrado numa sala sendo obrigado a usar uma das máscaras mortais, é induzido a ver uma televisão ligada onde rapidamente aparece outra cena de filme anterior, só que dessa vez com Jamie Lee Curtis.

Halloween 3 (1982) (6)

Em outubro de 2003, Halloween III foi lançado no Brasil em DVD, num disco duplo junto com Halloween II, pela revista DVD Premium ano 3 número 29, da nbo Editora, com distribuição em bancas e um preço popular. Só que infelizmente houve muitas falhas, começando pelos paupérrimos extras. No terceiro filme da saga, os extras são apenas uma sinopse curta e muito mal feita, e pequenas filmografias dos atores Tom Atkins e Stacey Nelkin. O filme foi batizado de forma errada como Halloween III – A Noite do Terror, quando o correto é A Noite das Bruxas (conforme lançamento anterior no Brasil já com esse nome), sem contar que o subtítulo adotado dessa vez é justamente o mesmo do primeiro filme de John Carpenter, de 1978. Que confusão desnecessária… bastava fazerem uma pesquisa prévia para evitarem esses erros. Outro equívoco é chamar o assassino da saga de Mike Myers (não confundir com o ator comediante homônimo), tanto num artigo da revista como na sinopse da capa do DVD, sendo que nunca durante a franquia se referiram ao psicopata dessa forma mais íntima e sim como seu nome Michael Myers. E os erros não param por aí, e apenas para tentar impressionar os consumidores fãs do Horror, ambos os filmes estão anunciados na capa do DVD como Dois clássicos do terror agora em um único DVD!. Os filmes são muito bons e valem a aquisição pelos colecionadores, apesar de todos os erros cometidos pela editora, mas chamá-los de clássicos é exagerado e equivocado, numa falta de respeito com os fãs, os quais a editora pensa que está enganando. A quantidade de erros cometidos no caso de Halloween II não é menor, e para se ter uma ideia disso basta ver a capa do DVD anunciando o filme como sendo de John Carpenter, quando o diretor foi Rick Rosenthal, e a participação de Carpenter foi na autoria do roteiro e produção.

Tommy Lee Wallace fez sua estreia na direção com Halloween III, e sua participação no gênero ainda inclui os filmes A Hora do Espanto 2 (1989) e It – Uma Obra-Prima do Medo (1990, baseado em obra de Stephen King), e mais recentemente com Vampiros: Os Mortos (2002), continuação do filme Vampiros (1998), de John Carpenter. E em 1982 ele foi o roteirista de Amityville 2.

Halloween 3 (1982) (8)

O ator americano Tom Atkins nasceu em 1935 em Pittsburgh, Pennsylvania, e entre seus filmes destacam-se trabalhos em A Bruma Assassina (1980) e Fuga de Nova York (1981), ambos também de John Carpenter, Noite dos Arrepios (1986), o policial Máquina Mortífera (1987) e Maniac Cop (1988). A partir do final dos anos 80, ele se dedicou mais em trabalhos voltados para a televisão, entre filmes e séries.

“A feitiçaria entra na era da computação, e um terror diferente inicia.”

(Visited 625 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

13 comentários em “Halloween III: A Noite das Bruxas (1982)

  • 25/10/2016 em 14:59
    Permalink

    Com medo de ver esse filme, muita gente falando bem do filme e ao mesmo tempo falando mal e assim fica difícil.mas uma coisa é certa,que cada um tem um gosto diferente então sem discussões

    Resposta
  • 15/03/2015 em 18:04
    Permalink

    Opiniões estão sempre em mudanças. Porque, apesar dos filmes nunca mudarem, nós mesmos estamos sempre em mudanças. Foi isso, por exemplo, que causou saudosismo pelas outras épocas (Almanaque dos Anos 80…) e redescobertas (Blade Runner: de fracasso comercial a Cult Clássico absoluto e incontestável).
    Nunca critiquei Halloween III talvez porque, antes de assisti-lo, eu estava “preparado”, pois havia lido um “passeio pela série” feito na revista Sci-Fi News. Agora talvez eu ache que a série Halloween são somente os quatro primeiros filmes, sendo que os melhores são o primeiro e o terceiro em pé de igualdade, pelo fato de serem “o Halloween de Michael Myers” (H1) e “o Halloween de Conal Cochran” (H3). Então, voltando ao meu primeiro parágrafo, minhas necessidades deste momento não pedem Michael Myers mas pedem Conal Cochran.
    Pergunta: o BD deste H3, lançado somente nos EUA, tem legendas, em inglês e pt-br?
    Abraços!

    Resposta
  • 17/12/2013 em 15:16
    Permalink

    Assisti em VHS quando tinha 11 anos e estava iniciando nos filmes de terror. Apesar de ter percebido logo no início do filme que não teríamos Michael Myers eu gostei também, confesso que nunca mais assisti, quem sabe um dia.

    Resposta
    • 17/12/2013 em 15:17
      Permalink

      Bom lembrar que essa musiquinha “happy, happy halloween..” ficou imortalizada no primeiro registro próprio da banda de metal Helloween no seu primeiro EP.

      Resposta
  • 01/11/2013 em 22:19
    Permalink

    Realmente esse filme é muito bom, uma pequena pérola do gênero! Tem uma tensão crescente, uma trama bem contada e ótimas cenas de suspense e assassinatos. Lamentável que tenha recebido tanta releição devido ao título errôneo. Enfim, é um filme que merece ser visto e só quem não entende de filmes de terror e suspense de verdade, não sabe apreciar o que esse filme oferece.

    Resposta
  • 31/10/2013 em 22:42
    Permalink

    Realmente um bom filme,pena que acabou sendo anexado a franquia que foi iniciada pelo otimo diretor John Carpenter,acho que teria sido com certeza melhor terem lançado com outro nome e fora do universo halloween.

    Resposta
  • 29/10/2013 em 09:42
    Permalink

    pra mim o melhor da série. pronto falei….pode me xingar…

    Resposta
    • 31/10/2013 em 18:23
      Permalink

      Até que enfim uma crítica e uma nota justa!!!! Adoro esse filme!!!!

      Resposta
  • 28/10/2013 em 12:04
    Permalink

    Acredito que o criador desta sequência e o comentarista deste post devem está completamente drogados. O filme é horroroso. Perda de tempo total.
    E para não perder mais tempo ainda.
    The End.

    Resposta
    • 01/11/2013 em 16:25
      Permalink

      risos, de fato alguém esta drogado. rss

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien