Críticas

Banho de Sangue (1971)

Apenas mediano, com algumas boas e convincentes sequências de mortes, mas cuja atmosfera é constantemente prejudicada pela trilha sonora!

Banho de Sangue (1971) (3)

Banho de Sangue
Original:Reazione a catena
Ano:1971•País:Itália
Direção:Mario Bava
Roteiro:Mario Bava, Franco Barberi
Produção:Giuseppe Zaccariello
Elenco:Claudine Auger, Luigi Pistilli, Claudio Camaso, Anna Maria Rosati, Chris Avram, Leopoldo Trieste, Laura Betti, Brigitte Skay, Isa Miranda, Paola Montenero

Prolífico diretor italiano nascido em 1914, e morto em 1980, Mario Bava é o cultuado diretor de algumas coisas simplesmente maravilhosas como A Máscara do Demônio (Black Sunday, 1960), As Três Máscaras da Morte (Black Sabbath, 1963), Planeta dos Vampiros (Planet of the Vampires, 1965), entre muitos outros, e com esse Banho de Sangue aka Mansão da Morte (Bay of Blood, 1971) mostra que, além de um típico diretor “gótico“, adepto das caracterizações atmosféricas a là Universal e Hammer, é também um mestre do splatter.

Banho de Sangue (1971) (1)

Esse cultuado thriller, co-escrito por Bava, por exemplo, é apontado em qualquer catálogo como o legítimo inspirador de franquias de sucesso como Halloween e Sexta-Feira 13, entre outras menos cotadas, embora não apresente, ao contrário destas, um único assassino em série, mas um ciclo deles, num roteiro bem bolado e divertido, com direito a traições, chantagens, surpresas e reviravoltas das mais loucas já vistas no criativo cinema de terror italiano. Isso tudo tendo como ponto de partida um casal espertalhão que queria herdar um rico chalé abandonado numa baía isolada, onde habitam pessoas umas mais suspeitas – e interesseiras – que as outras. No final… não vou revelar o final, pois embora não seja fácil de ser encontrado, esse filme está disponível no mercado brasileiro de vídeo VHS e vale uma busca atenta sem dúvida nenhuma. Só vou dizer uma coisa: o final é chapado, na falta de um termo melhor.

No geral, entretanto, é um filme apenas mediano, com algumas boas e convincentes sequências de mortes, mas cuja atmosfera é constantemente prejudicada pela trilha sonora inconveniente e deslocada (aliás, sempre achei que os italianos, em geral, sempre pecam neste ponto – infelizmente um ponto importante). Destaque para a sequência em que um grupo de jovens é brutalmente assassinado na mansão, com direito a decapitações, punhaladas, tiros, empalações e outros, abrindo caminho para os clichês que viriam com toda força na década seguinte, com Jason Voorhees e Michael Myers, entre milhares de outros, a todo vapor.

Banho de Sangue (1971)

Como curiosidade, vale ressaltar a enorme quantidade de títulos que esse filme recebeu ao longo do tempo e em consequência de seus relançamentos: Antefatto (1971) / Bay of Blood, A (1972) / Before the Fact-Ecology of a Crime (1971) / Bloodbath (1980) / Bloodbath Bay of Blood (1971) / Bloodbath Bay of Death (1971) / Carnage (1971) / Ecologia del delitto (1971) / Ecology of a Crime, The (1971) / Last House on the Left Part II (1973) / New House on the Left (1971) / Twitch of the Death Nerve (1971).

Leia também:

1 Comentário

  1. ” O filme que deu início total o gênero Slasher ” , é o que diz em destaque na frente da capa de seu dvd na versão americana que eu tenho .
    Um filme que pouca gente conhece , que eu gosto e recomendo , uma bela obra do Mario Bava que merece respeito e que é a raíz dos slasher movies .
    ” A Bay Of Blood ” também faz parte da minha coleção em dvd original !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *