Críticas

Os Estranhos (2008)

Irregular e lento, mas ainda assim uma boa diversão!

Os Estranhos (2008) (3)

Os Estranhos
Original:The Strangers
Ano:2008•País:EUA
Direção:Bryan Bertino
Roteiro:Bryan Bertino
Produção:Doug Davison, Nathan Kahane, Roy Lee
Elenco:Scott Speedman, Gemma Ward, Liv Tyler, Kip Week, Laura Margolis, Glenn Howerton

Você certamente já viu esta novela antes: “casa no meio do nada em que pessoas sádicas que parecem ser entidades sobrenaturais mantêm alguns cativos e fazem de tudo para matar os protagonistas e o espectador de medo“. Eles, Violência Gratuita, O Massacre da Serra Elétrica… pegue a referência que quiser e seja feliz. O trabalho de estreia do diretor e roteirista Bryan Bertino, Os Estranhos, é o mais novo exemplar desta variação de um gênero bastante lucrativo e fácil de realizar com pouco dinheiro e que chegou aos cinemas brasileiros no dia 21 de novembro de 2008.

Betino é um iniciante e faz questão de afirmar isso. Mantendo certa humildade em suas entrevistas, o diretor afirma que “ainda precisa ler livros para aprender a dirigir” – por causa disso é de se admirar que Os Estranhos tenha conseguido uma distribuição maciça nos cinemas estadunidenses em primeiro lugar. O fato é que levando a inexperiência de Bertino como critério The Strangers é um excelente começo de carreira, contudo analisando friamente é muito irregular para entrar na lista dos melhores do ano.

Os Estranhos (2008) (1)

Na abertura um narrador diz que 1,4 milhões de crimes violentos acontecem todos os anos nos Estados Unidos. Na noite de 11 de fevereiro de 2005 o casal Kristen McKay (Liv Tyler de Armageddon e da trilogia O Senhor dos Anéis) e James Hoyt (Scott Speedman, de Anjos da Noite) entrará em cheio nesta estatística.

Kristen e James estão voltando de carro de um jantar para a casa de verão da família Hoyt (isolada do mundo, obviamente). Fica claro para o espectador que há um clima de tensão entre os dois e um gratuito flashback em seguida – claramente para fazer o tempo correr um pouco mais – revela que algumas horas antes James propôs casamento para Kristen e ela rejeitou alegando que ainda não estaria preparada.

Os Estranhos (2008) (2)

Some a isso o preparativo que o rapaz realizou na casa, produzindo um jantar romântico, enchendo os cômodos de pétalas de rosas e champagne para uma noite pretendida ser perfeita. Com ambos constrangidos além da conta e discutindo o relacionamento por mais tempo do que o normal, James deixa um recado para seu melhor amigo Mike (Glenn Howerton) pedindo para que o pegue pela manhã. É quando finalmente algo acontece: o casal é interrompido às 4 da manhã por uma garota que bate a porta perguntando por alguém chamada “Tamara“.

Sem poder ver a face da garota pela escuridão, eles afirmam que ninguém vive ali com este nome. James sai para comprar cigarros logo em seguida e Kristen fica sozinha na residência. Aí que as coisas começam a esquentar: a garota volta perguntando por “Tamara“, Kristen se assusta com a violência com que bate a porta e pede para que vá embora. Momentos depois ela ouve uma série de barulhos altos vindos de todas as partes da casa; a lareira aciona o alarme do detector de fumaça; o telefone é cortado quando Kristen fala com James ao celular… Enfim, o inferno começa a se abrir no quintal dos Hoyt (figurativamente falando, claro).

Os Estranhos (2008) (4)

Chegando logo depois, James, cético, não acredita em uma palavra do que Kristen diz, mesmo que sua quase-esposa esteja com os nervos em frangalhos. Não tarda muito e James sentirá na pele o que aconteceu durante sua ausência, pois três “estranhos” (interpretados por Kip Weeks, Gemma Ward e Laura Margolis) vestindo máscaras sinistras não estão dispostos a permitir que o casal continue vivo na manhã seguinte.

Pois bem, como já disse anteriormente Os Estranhos sofre de um mal agudo: é irregular demais. Bertino não sabendo qual público deveria atacar, começa a atirar para todos os lados ao mesmo tempo, provocando uma tremenda confusão. Por exemplo, existem cenas que causam arrepios naturais por causa da atmosfera, tais como as primeiras aparições dos estranhos em meio às sombras sem nenhum sobressalto musical, todavia alguns minutos depois ele força o susto fácil com aquele barulhão e o ultra-close na máscara do “estranho“. E o ritmo que começa se arrastando possui momentos que parece que vai acelerar em alta velocidade, só que na cena seguinte Bertino coloca as coisas lentas novamente… Ou um ou outro, meu caro, não dá pra conciliar os dois.

O roteiro passa também a mesma impressão, apesar de simples: ora possui sacadas geniais (o tratamento dado ao amigo de James), ora submerge em clichês, erros de continuidade e soluções que não fazem o menor sentido (a mensagem “Killer” no vidro, o velho rádio no celeiro, quando tudo parece perdido o casal declara seu amor, o final meio “tá, e daí…“). Por ser uma produção voltada a opressão psicológica, a violência gráfica não é recorrente e aqueles que esperam um banho de sangue vão ficar decepcionados.

Os Estranhos (2008) (5)

Minha impressão com relação ao elenco também não é muito favorável para um filme que deveria ser calcado em apenas dois personagens centrais com alta carga dramática sobre eles. Tá certo que Liv Tyler é linda e se esforça bastante, porém não se encaixa muito como scream queen. Scott Speedman não é ruim só que fica um pouco prejudicado pela baixa exposição em cena.

Se existem coisas que são constantes o tempo todo é o grande trabalho de fotografia de Peter Sova, e a trilha sonora que de tão intensa e conflitante se torna um novo personagem na trama. Tirando a modernidade representada pelos telefones celulares e veículos, a história poderia ser facilmente passada nos anos 70, o que traz um certo ar de nostalgia.

Agora preciso fazer outro elogio ao trabalho de Bryan Bertino. Se o desenvolvimento do casal principal não é exatamente uma qualidade, a falta de informações sobre quem são e de onde vieram os estranhos é o que dá uma grande força para alimentar a tensão.

Segundo o diretor, a inspiração para a construção – ou da ausência dela – veio do livro “Helter Skelter” (que virou um excelente telefilme) sobre os crimes de Charles Manson. Talvez por isso o diretor tenha colocado aquela ridícula abertura com estatísticas sobre a violência nos Estados Unidos e o narrador dizendo que “é baseado em acontecimentos reais“.

Os Estranhos (2008) (6)

A não-explicação da motivação dos antagonistas é de fazer aqueles vilões afeminados de Funny Games U.S. urinarem nas calças, somado pelo fato de que nunca sabemos se “os estranhos” usam máscaras por serem pessoas retardadas e deformadas (tipo Leatherface) ou pessoas “normais” fazendo aquilo por sadismo e desequilíbrio (tais como os próprios assassinos Manson).

Por ser um tanto oscilante, o espectador pode encontrar qualidades nos defeitos que apontei e falhas naquilo que eu disse ser pontos fortes, contudo é difícil negar que talvez se Bertino conseguisse realizar uma produção com mais personalidade, seria muito melhor sucedido. De qualquer maneira, é uma boa pedida para se ter bons desconfortáveis momentos numa sala escura, seja no cinema, seja na segurança da sua sala… Sabe por quê? Porque você está em casa…

Curiosidades

– Originalmente deveria ser lançado no verão estadunidense de 2007, porém foi adiado várias vezes até ser lançado em 30 de maio de 2008;

– Há uma cena em que a música de Merle Haggard chamada “Mama Tried” é tocada alto no toca-discos. O nome que a banda de Merle Haggard usava era “The Strangers“;

Liv Tyler sofreu de amigdalite durante as filmagens;

– O nome do filme segundo o roteiro original era “The Faces“;

Liv Tyler afirmou em entrevista que o roteiro original possuía muito mais interação e diálogos entre os vilões e vitimas durante o final. O diretor resolveu cortar isso para manter os intrusos mais misteriosos para o público;

– De acordo com o diretor, o filme é parcialmente inspirado em um incidente que aconteceu quando ele era criança. Uma noite um estranho bateu na porta de sua casa perguntando por um a pessoa que não estava lá. O estranho foi embora, mas no dia seguinte Bertino descobriu que outras casas da vizinhança foram invadidas aquela noite.

Leia também:

5 Comentários

  1. dandy

    viloes afeminados? cade o profissionalismo? se quer ser um critico respeitado melhor pensar antes de escrever frases e argumentos deste tipo! soa totalmente machista e preconceituoso!

  2. Agatha

    Esse Gabriel me deixa relutante em ler suas criticas, acabei e ler a critica de Violencia Gratuita e o que me incomoda nao é nem a critica em si, mas o fato dele repetir sobre os viloes serem afeminados, de forma como se isso fosse um problema, e nessa critica, tem a mesma referencia, na boa, desnecessario falar dessa maneira, me incomodou pra caramba colocar afeminado de forma pejorativa. Na boa, poderia pensar melhor e medir as palavras,

    • Hérick

      Concordo contigo!

  3. Guinha Bonfim

    Podcast sobre invasões domiciliares seria muito bom.

    • Rodrigo Ramos Rodrigo Ramos

      Boa pedida! Anotado aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *