Críticas

O Exorcista (1973)

Um filme de horror que aguça nossa visão não apenas do do horror em si, mas também nossa visão do cinema e da luta do bem contra o mal.

O Exorcista (1973)

Hoje é um belo dia para um exorcismo!

O Exorcista
Original:The Exorcist
Ano:1973•País:EUA
Direção:William Friedkin
Roteiro:William Peter Blatty
Produção:William Peter Blatty
Elenco:Arthur Storch, Barton Heyman, Donna Mitchell, Ellen Burstyn, Gina Petrushka, Jack MacGowran, Jason Miller, Kitty Winn, Lee J. Cobb, Linda Blair, Max von Sydow, Mercedes McCambridge, Peter Masterson, Robert Gerringer, Robert Symonds, Ron Faber, Roy Cooper, Rudolf Schündler, Thomas Bermingham, Titos Vandis, Vasiliki Maliaros, Wallace Rooney, William O'Malley

Sendo um dos filmes mais bem sucedidos de todos os tempos, assim como o primeiro no gênero a ser indicado para os principais prêmios do Oscar, seria fácil dizer que O Exorcista é bem mais do que apenas um filme de horror. Mas por que deveríamos dizer isso? Por que a perspectiva de ser “apenas” um filme de horror deveria ser um fato limitante, uma vez que abre tantas novas possibilidades?

Imaginemos o verdadeiro horror. Aquele de perder a única pessoa que você tem porque você decidiu acreditar em Deus. Aquele de ver a sua filha pequena sofrer de uma doença incompreensível, que lhe tira a vida pouco a pouco. Imagine um demônio que põe o medo nos corações dos homens, um monstro que consome a alma das pessoas, ao invés de seus corpos. Desta forma, você pode ver por que O Exorcista é, de fato, um filme de horror que aguça nossa visão não apenas do do horror em si, mas também nossa visão do cinema e da luta do bem contra o mal.

Cada personagem deste filme parece ter algum horror em suas vidas. Damien Karras (brilhantemente interpretado por Jason Miller) é um exímio psiquiatra que decidiu ser padre, recusando assim toda a glória e dinheiro que seu conhecimento poderia trazer. Agora que sua mãe está doente, ele não pode pagar o tratamento e começa a questionar sua fé ao vê-la morrer. Lankester Merrin (Max von Sidow) é um padre idoso que já enfrentou o demônio uma vez, e que vive como um arremedo de ser humano ante a perspectiva de ter de encará-lo novamente. Chris MacNeil (Ellen Burstyn) é uma atriz famosa, abandonada pelo marido, e cujo maior objetivo na vida é criar sua filha Regan (Linda Blair, num papel do qual nunca conseguiu se desvencilhar).

Regan é a personagem que se destaca nesta teia. Ela é uma criança alegre e sorridente, talvez a única em que se vê realmente o gosto pela vida. É por isso que o demônio a escolhe. Possuída por uma antiga entidade chamada Pazuzu (com a voz de Mercedes McCambridge) ela começa a apodrecer e a se deteriorar, física e espiritualmente. Pazuzu atiça, causa dúvida, conquista as almas pouco a pouco, ao invés de simplesmente sair explodindo tudo. Prefere tentar seduzir Karras a soltar as correias que lhe prendem à cama, quando poderia fazê-las desaparecer por si mesmo. O verdadeiro pai da mentira, ardiloso, cruel, traiçoeiro.

Karras é chamado para investigar o caso, e reunir as provas para requerer um exorcismo ao Vaticano, mas também ele tem que enfrentar os esqueletos que Pazuzu quer tirar de seu armário.

Muito já se disse sobre O Exorcista, como um dos filmes mais aterradores de todos os tempos. Muitos já o chamaram de um filme demoníaco. Discordo. O Exorcista é, provavelmente, um dos mais poderosos testamentos de fé e esperança da história do cinema. Tanto o filme como o livro de Willian Peter Blatty tocam em muitos pontos sensíveis, o que pode espantar a princípio. Mas a sua grande mensagem está na sua representação do sacrifício que compreende o exorcismo. Seria certo sacrificar vidas destruídas para salvar uma vida inocente? Esta é uma pergunta que pode mudar completamente a sua visão do tal “filme mais assustador de todos os tempos“.

Leia também:

8 Comentários

  1. Papa Emeritus

    Já disse antes e vou repetir, ao lado de O Iluminado e O Bebê de Rosemary, eu coloco O Exorcista como o melhor filme de Terror de todos os tempos. O filme é MAGNÍFICO do princípio ao fim.

    • Plínio Marques Júnior

      Esqueceu de mencionar o maior de todos, “A PROFECIA”.

  2. Henrique

    Simplesmente o melhor filme de horror já feito. Tudo neste filme funciona, a direção, o roteiro, os atores, os efeitos…Já vi trocentas vezes e posso rever de novo, sem problema, porque continua irretocável. É um filme que ultrapassa o próprio gênero e se estabelece como um dos grandes filmes que o cinema americano já produziu. As histórias dos bastidores também são incríveis, muito interessantes.

  3. O maior de todos os tempos, sem dúvida.

    http://gatosmucky.blogspot.com.br/2013/03/o-terror-do-seculo-xx.html

    Abraços.

  4. Janerson

    Em minha modesta opinião, O Exorcista é simplesmente “Hors- Concours”, não há comparações com os demais filmes de terror. E tudo o que fizeram em cima dele parece picaretagem a fim de obter alguns trocados.
    Clássico absoluto

  5. Fabio Rodriguez

    Eu nunca vou entender os detratores de O Exorcista… que aliás, não são poucos.

    Pra mim esse filme é e sempre será um dos maiores clássicos do gênero. Um filme fundamental pra quem afirma gostar de terror.

  6. Gilson Bloch

    esse realmente mereceu o oscar……….

  7. vanessa vasconcelos

    melhor filme sobre exorcismo já feito,clássico absoluto,adorooooooo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *