Críticas

Desaparecidos (2011)

Já assisti produções nacionais de horror produzidas com bem menos que 55 mil pilas e que deixaram sua marca na história do cinema de gênero!

Desaparecidos (2011) (4)

Desaparecidos
Original:Desaparecidos
Ano:2011•País:Brasil
Direção:David Schurmann
Roteiro:Rafael Blecher, David Schurmann
Produção:David Schurmann
Elenco:Charlene Chagas, Natalia Vidal, Pedro Urizzi, André Madrini, Fernanda Peviani, Adriana Veraldi, Francisco Carvalho, Eliot Tosta

Desaparecidos é um filme de terror brasileiro de 2011 dirigido por David Schürmann (de O Mundo em Duas Voltas, 2007) e escrito por Rafael Blecher e David Schürmann. Estrelado por Adriana Veraldi, André Madrini, Charlene Chagas, Fernanda Peviani, Natália Vidall, o filme conta a história de um grupo de seis amigos que após irem a uma festa em uma ilha no litoral paulista (Ilhabela), desaparecem e apenas câmeras com imagens assustadoras(?) dos mesmos são encontradas pelas autoridades, sendo estas imagens o único meio para descobrir o que aconteceu com o grupo.

A Bruxa de Blair…ops…Desaparecidos tentou, como ponto de partida, utilizar o conceito de transmídia depois do diretor conhecê-lo durante o Festival de Cannes. Schurman quis colocar em prática a ideia e observar se os jovens se questionavam sobre a veracidade de informações que liam na internet. Para isso, criou perfis falsos em redes sociais para promover a festa “Luz, Câmera, Party!”, que funcionou como isca para atrair a curiosidade dos incautos internautas até que a notícia do filme fosse revelada. A produção do filme começou no fim de novembro de 2010 e as filmagens duraram 15 dias com um custo de cinquenta e cinco mil reais.

Desaparecidos (2011)

Schurman acreditava que o público estava carente de filmes brasileiros que não sejam de comédia, ação ou “que querem dar lição de moral” e sua vontade era a de contar um filme de terror, mas um terror voltado ao psicológico e não voltado às vísceras e sangue. Infelizmente, de boas intenções o inferno está cheio e Desaparecidos deixou uma clara impressão de oportunismo e imaturidade profissional. Mesmo com as belezas naturais de Ilhabela sendo (até que competentemente!) encaixadas pela direção fotográfica do canadense Todd Southgate o filme não passou nenhuma impressão que não fosse a de um plágio sem-vergonha de “mockumentáriosMade in USA.

Já assisti produções nacionais de horror produzidas com bem menos que 55 mil pilas e que deixaram sua marca na história do cinema de gênero então não me venham falar que o fiasco que se tornou o filme de Schürmann se deve à falta de verbas. O filme é mal dirigido, a edição da “sujeira” digital (efeito incluído para tornar as imagens das câmeras como se fossem artefatos encontrados) é tão frequente que se torna irritante, mas só perde para a irritabilidade causada pelos gritos histéricos das patricinhas perdidas na mata, que se atropelam em suas próprias interpretações numa cacofonia de uivos e ganidos forçados de dor. Nem mesmo a exposição de peitinhos e uma sessão “upskirting” promovida pela modelo mineira Adriana Veraldi conseguiu salvar o filme.

Desaparecidos (2011) (3)

E quanto ao sangue cenográfico…com menos de cinco minutos de consulta na web qualquer um consegue no mínimo umas 8 receitas de como se fazer um sangue cenográfico bastante realista, mas parece que a equipe de efeitos especiais da produção levou muito a sério o lema ”faça você mesmo” e decidiu melar mais ainda o filme com um sangue tão descolorido e aguado que mais parecia ter sido feito com tinta guache e água. E isso sem citar a “criatura” (mal) construída na base de um After Efects da vida…

PORRA, DANIEL!!! VOCÊ TINHA 55 MIL PILAS, RAPAZ!!! DEIXA DE SER MUQUIRANA E DA PRÓXIMA VEZ PAGA UMA EQUIPE DECENTE DE MAQUIAGEM!!!

(pausa para respirar)

Muitos que estão lendo esta matéria podem estar pensando agora “Puxa… mas que cara chato. Dê uma chance pro diretor, afinal quem sabe isso não pode ser o início de um caminho onde finalmente poderemos assistir filmes do gênero horror tipicamente brasileiro”. Eu não tenho nada contra ousar e criar, mas temos que levar em conta tanto a originalidade quanto (e por que não, principalmente) a humildade. O Sr. David Schürmann entende tanto de filmes de horror quanto eu entendo de cirurgia cerebral e a prova disso é uma avalanche de bobeiras que ele costuma lançar sobre seu filme na mídia comprada que lambe a sua cria. Não vou citar o nome das ditas páginas, mas em qualquer busca no Google você também poderá encontrar pérolas como esta que posto abaixo:

Desaparecidos (2011) (1)

Essa foi uma oportunidade única. Acho que o pessoal tem medo de ousar no cinema. Se o filme tivesse ficado tosco, talvez eu tivesse algum receio de lançá-lo, mas ficou bom. Até agora, só tínhamos um cineasta de terror, o Zé do Caixão, que tem um lado mais cult.

Pelo jeito ele não conseguiu encontrar A Noite do Chupacabras de Rodrigo Aragão, Porto dos Mortos, de Davi de Oliveira Pinheiro ou Entrei em Pânico Ao Saber O Quê Vocês Fizeram na Sexta-Feira 13 do Verão Passado – Parte 2 de Felipe M. Guerra na locadora perto de sua “humilde” casa para registrar José Mojica Marins (o verdadeiro cineasta; Zé do Caixão é apenas um personagem criado pelo próprio) como o único diretor de longas de horror do Brasil e isso porque não estou citando os diretores de curtas como Desalmados: O Vírus, a trilogia 3 Cortes, Estranha, A História de Lia, Ninjas e Horário Nobre…que literalmente humilhariam qualquer outro longa-metragem de horror que ele por ventura fosse produzir.

A falta de “cultura do medo” de David Schürmann só é precedida pela sua falta de humildade. Em outra declaração o diretor disse que “não tem nada contra os filmes alternativos, mas que prefere atingir o público que vai ver Atividade Paranormal e Transformers“.

Vocês acham que eu estou exagerando? Não é apenas uma raiva solitária de blogueiro contra um filmeco picareta. Desaparecidos foi na sua maioria malhado massivamente por críticos especializados no cinema. Érico Borgo do portal UOL classificou o filme como ruim em sua crítica. Alegando que não passa de uma cópia de filmes estrangeiros, dizendo: “Independente da irrelevância do debate, se ‘Desaparecidos’ tivesse alguma ideia verdadeiramente sua, talvez valesse a pena. Mas Schurmann faz uma colagem sem-vergonha de tudo o que foi lançado nesse estilo [transmídia] até aqui – e consegue ser ainda pior do que seus antecessores.

Desaparecidos (2011) (3)

Roberto Guerra, do Cine Click, fez uma crítica severa para Desaparecidos, chamando-o de “difícil de engolir“, e que o momento de alívio para o telespectador se dá quando os créditos finais sobem na tela. Sobre as personagens, Guerra diz: “O espectador não é levado a torcer por nenhum dos personagens e muito menos se identifica com quem quer que seja. Todos são chatos e vazios, mal construídos, e nos levam a torcer pelo vilão. A cada jovem que sai de cena, um alívio. Nem ao menos ficamos na expectativa de quem será o próximo. Tanto faz desde que não demore muito.

Outro ponto fraquíssimo da produção foi a falta de estudo das situações decorrentes. As câmeras portáteis dos protagonistas desafiam as leis da lógica filmando lugares que sequer estão focados em seu campo de visão, a absoluta limpeza na roupa dos jovens perdidos numa mata fechada e repleta de lama chega a ser tão berrante quanto os pedidos de socorro das mulheres e por aí vai, mas o que mais me chocou foram as cenas da perícia policial que são apresentadas no decorrer dos créditos finais. Numa época de “CSI’s” e “Dexter’s” qualquer um sabe que não se deve tocar nas provas de um crime sem que esteja com luvas e objetos apropriados para coleta e os infelizes que assistiram a este filme até o final sabem de qual cena estou falando…

Em suma, Desaparecidos é um verdadeiro desfalque cinematográfico e a prova concreta de que para se fazer cinema de gênero no Brasil não é necessário ter apenas uma “ideia na cabeça e uma câmera na mão”… um bolso cheio de dinheiro ajuda bastante também.

Leia também:

4 Comentários

  1. Eder Barros

    É uma grande porcaria, pior que fui ver no cinema, tinha 5 pessoas na sala e todo mundo saiu antes do filme acabar, só ficou eu. kkkkkkkkkk

  2. Cristina

    Vergonhosamente ruim. Daqui a um tempo ele será usados em aulas de como não se fazer um filme de terror.

  3. Yara Xavier

    Matadouro veio depois e conseguiu o posto de clássico cult. Esse caiu no esquecimento. Um LIXO.

  4. David Denis Lobão

    Este é sem dúvida o pior filme que já vi na vida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *