Viagem ao Fundo do Mar: O Monstruoso Homem Peixe (1966)

5
(1)

Viagem ao Fundo do Mar - O Monstruoso Homem Peixe
Original:Voyage to the Bottom of the Sea - The Menfish
Ano:1966•País:EUA
Direção:Tom Gries
Roteiro:Irwin Allen, William Read Woodfield, Allan Balter
Produção: Irwin Allen
Elenco:Richard Basehart, David Hedison, Gary Merrill, John Dehner, Victor Lundin, Larry D. Mann, Del Monroe, Roy Jenson, Wayne Heffley, Larry D. Mann, Robert Dowdell

“Extração do fluído pineal completa. Cinco centímetros foram removidos. Deve ser o suficiente para transplantação para o paciente.” – Dr. Borgman, em sua experiência na criação do Homem Peixe.

A fantástica e nostálgica série de televisão dos anos 1960 Viagem ao Fundo do Mar (Voyage to the Bottom of the Sea, 1964-68), criada e produzida pelo lendário Irwin Allen (1916-1991), foi um dos maiores exemplos de pura diversão com histórias de ficção científica e horror repletas dos tradicionais elementos característicos do gênero, principalmente as ações inescrupulosas dos chamados “cientistas loucos” e suas experiências científicas absurdas para conquistar o mundo.
Fazendo parte dessa temática que tanto povoou o cinema fantástico por décadas e até hoje incita a imaginação dos apreciadores do gênero, está o episódio “O Monstruoso Homem Peixe” (The Menfish). A história é sobre um “cientista louco“, Dr. Borgman (John Dehner), e seu assistente Hansjurg (Victor Lundin), em meio a uma experiência completamente inverossímil: criar homens peixes a partir da extração da secreção da glândula pineal humana (localizada na base do cérebro, na parte traseira do pescoço), injetando-a em peixes e submetendo-os à exposições de doses de radiação em determinadas condições de temperatura da água (18 graus Célsius) e pressão (20 decibares).

Inicialmente criando seres mistos de homem e peixe no tamanho pequeno do segundo (algo em torno de 30 cm), o próximo passo na experiência era agora transformá-los para o tamanho natural do primeiro, a altura padrão de um homem (aproximadamente 1,80 m) através da exposição dos pequenos seres mutantes à elementos radiativos no mar a uma profundidade de 105 m (um evento ainda mais inverossímil, o que só reforça a curiosidade despertando nosso interesse e consequente diversão). Para isso, o cientista Dr. Borgman requisitou o auxílio do submarino nuclear “Seaview“, conseguindo a autorização para realizar sua macabra experiência vinda diretamente do Almirante Harrigan Nelson (Richard Basehart – ator fixo na série, mas que não participou desse episódio sendo o seu nome apenas citado).

Para preencher a ausência de Nelson, que fora chamado para uma reunião secreta do governo, foi requisitado o também Almirante Roy Park (Gary Merrill), que já conhecia o Dr. Borgman e era um antigo desafeto de seu trabalho, sempre questionando sua ética científica e os resultados inconsequentes de suas experiências. O objetivo do “cientista louco” era criar um exército de homens peixes controlados por ele através do implante de um componente eletrônico no cérebro que podia manipular suas ações, e assim ele poderia conquistar os oceanos. Uma vez o Almirante Park descobrindo as reais intenções do cientista, ele é dominado e suas ações são manipuladas devido ao implante do mesmo tipo de aparelho controlador em seu cérebro.

O comandante do “Seaview“, Capitão Lee Crane (David Hedison), juntamente com seu imediato Chefe Chip Morton (Bob Dowdell), cedem então a sala de mísseis do submarino para abrigar o laboratório do Dr. Borgman. A experiência da criação de um ser misto de homem e peixe com o tamanho do primeiro funciona com sucesso e a criatura é trazida à bordo sendo posteriormente responsável pela morte de um tripulante curioso e inconsequente. Devido a esse incidente, o mutante passa a ser mantido agora fora do submarino e numa outra experiência ele recebe uma alta dosagem de radiação transformando-se num gigantesco monstro maior que o próprio “Seaview”, surpreendendo a todos, inclusive o “cientista louco” Dr. Borgman, que via na imensa criatura a concretização de seus ideais de conquista dos mares. Porém, ele não conseguia controlar o descomunal homem peixe com seu aparelho eletrônico e o monstro passou a atacar o Seaview agitando-o como se fosse um brinquedo.

Como já esperado no desfecho de todos os episódios, mantendo o clássico e conhecido clichê já largamente explorado, o colossal homem peixe é derrotado por uma rajada de raios laser disparada pelo “Sub-voador“, um pequeno veículo que voa e navega sob a água com grande agilidade, pilotado pelo Almirante Park. E o Dr. Borgman é assassinado por seu assistente Hansjurg, arrependido de colaborar com as experiências e discursando que gostaria agora de ajudar a humanidade.

Os efeitos especiais são completamente toscos e divertidos. Percebe-se claramente um homem vestido com uma roupa de borracha simulando um monstro atacando o submarino (uma maquete de aproximadamente 1,5 m de comprimento). Em determinado momento, o homem peixe (ainda do tamanho natural de um homem) arromba uma porta supostamente de aço do Seaview e percebe-se que não passa de um cenário de papelão. Em outra cena, o homem peixe do tamanho do segundo nada mais é que um boneco imóvel completamente artificial. Os rugidos ferozes emitidos pelo homem peixe são os mesmos ouvidos em quase todos os episódios envolvendo monstros. E o mais fascinante nisso tudo é que a série tinha a real intenção em ser séria, o que torna todas essas deficiências uma verdadeira preciosidade dos filmes de baixo orçamento.

O Monstruoso Homem Peixe” é apenas mais um episódio de “Viagem ao Fundo do Mar” que apresentava em seu incrível argumento monstros criados por cientistas loucos, ou alienígenas hostis que querem conquistar a Terra, ou ainda seres aquáticos gigantescos que ameaçam a humanidade. Isso sem contar os diversos incidentes militares que ameaçam a destruição do planeta por guerras nucleares, a aparição de fantasmas que assombram o submarino e seus tripulantes, e todo tipo de histórias fantásticas que são a marca registrada do mais puro entretenimento.

Nota do Editor: Esse artigo complementa o texto Viagem ao Fundo do Mar: O Ataque da Aranha Monstruosa, publicado no Juvenatrix # 70 (janeiro 2003), onde são relatados maiores detalhes e informações sobre a série. A presente matéria tem como objetivo maior enfocar especificamente o episódio “O Monstruoso Homem Peixe“.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

(Visited 269 times, 1 visits today)

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

One thought on “Viagem ao Fundo do Mar: O Monstruoso Homem Peixe (1966)

  • 28/02/2021 em 18:35
    Permalink

    Interessante, lembro que no filme “La mujer murcielago” de 1968 o vilão é um cientista louco que quer criar homens peixes usando um método parecido.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.