O Ataque dos Vermes Malditos 7: Ilha dos Shriekers (2020)

5
(3)

O Ataque dos Vermes Malditos 7: Ilha dos Shriekers
Original:Tremors: Shrieker Island
Ano:2020•País:EUA
Direção:Don Michael Paul
Roteiro:Don Michael Paul, Brian Brightly
Produção:Todd Williams
Elenco:Michael Gross, Jon Heder, Richard Brake, Caroline Langrishe, Jackie Cruz, Cassie Clare, Sahajak Boonthanakit, Bear Williams

Burt Gummer: “O destino é uma merda.”

Os vermes malditos de Perfection desenvolveram uma longa franquia de aventura e humor. É aquele típico conceito de poucas linhas, mas fértil o suficiente para criar vários enredos com exemplo na casa de Amityville, naquele que anda por trás das fileiras, em um duende com intenções cruéis e até em canibais que vivem nas montanhas. No caso dos vermes, o ponto de partida foi uma pequena obra-prima do cinema B, lançada em 1990, e que trazia no elenco Kevin Bacon, Fred Ward e Michael Gross. Bacon só fez o primeiro e ensaiou uma série que acabou não vingando; Ward esteve também na parte 2, enquanto Gross assumiu o heroísmo do insano ex-combatente Burt Gummer em tudo que leva o título Tremors.

Seu personagem cresceu de uma maneira intensa a partir de O Ataque dos Vermes Malditos 3: De Volta à Perfeição, tendo inclusive a história de um antepassado acompanhada na parte 4. Depois de uma longa pausa, voltaria em O Ataque dos Vermes Malditos 5: Linhas de Sangue, apresentando seu filho Travis (Jamie Kennedy), que o ajudaria na caçada a vermes africanos e voltaria em O Ataque dos Vermes Malditos 6: Um Dia Frio no Inferno, com as criaturas surgindo em regiões frias do Canadá. Sem descanso, Burt Gummer, que incentivou a criação real do dia 14 de abril no calendário americano em sua homenagem, estaria de volta para um último capítulo, desta vez com vermes modificados geneticamente e habitando uma ilha.

No roteiro de Don Michael Paul (que também dirige a produção) e Brian Brightly, o dono da empresa Avex-Bio Tech, Bill (Richard Brake, o veterano vilão de sempre), fez modificações nos genes dos vermes e os conduziu à sua ilha particular para criar aventuras de caça, contando com o apoio do Dr. Alistair Richards (Matthew Douglas) e da experiente Anna (Cassie Clare), com grande domínio em arco e flecha. Percebendo vibrações estranhas na ilha vizinha, a Dra. Jasmine ‘Jas’ Welker (Caroline Langrishe) e seu colega Jimmy (Jon Heder) vão ao local e testemunham ataques de graboides na versão evoluída dos “Shriekers” (os bípedes que apareceram na parte 2). Ela então pede que Jimmy convoque Burt como a única solução possível de finalmente exterminar os monstros da terra.

Vivendo como um náufrago, com longa barba e cabelo, Burt aceita seu destino e vai ao local, sem saber que quem o chamou foi Jas, uma ex-companheira e mãe de Travis, que é dito estar preso no México devido a posse de cogumelos. O herói da franquia aceita combater as criaturas geneticamente alteradas – há menção ao fato delas nadarem agora, mas infelizmente não fora explorado -, sem armas, e ainda consciente de que terá que lidar também com Bill, disposto a provocar os vermes malditos para ter a cabeça de um em sua galeria.

Com Jimmy notadamente fazendo o papel de Travis, trazendo bom humor à aventura, O Ataque dos Vermes Malditos 7 mantém a diversão da franquia a partir de um ambiente ainda não explorado, apesar de repetir algumas das estratégias vistas em outros combates. Quem não se lembra do plano conhecido como “estouro da boiada“, visto no primeiro filme? Com os recursos limitados, os graboides quase não aparecem em cena, às vezes camuflados pelo “urrar” na mata ou pela visão subjetiva; já os “Shriekers” até que disfarçam bem os efeitos digitais, criando uma boa situação de tensão na sequência que acontece na caverna. Além da possibilidade acelerada de reprodução, os novos vermes agora possuem um “grito” capaz de ensurdecer as presas, numa característica utilizada em apenas em uma cena e ignorada no restante do filme. Já a doença de Burt – algo como acontecera com a Tenente Ripley em Alien, a Ressurreição -, mostrada no filme anterior, também foi deixada de lado nesta sequência, o que fere a continuidade da franquia. Por outro lado, menções a personagens de outras aventuras ajudam a estabelecer o elo, ainda que frágil.

O Ataque dos Vermes Malditos 7: Ilha dos Shriekers é provavelmente o último filme envolvendo vermes malditos. Talvez possam fazer um reboot com outros personagens futuramente, mas a identificação clássica com os demais seis filmes e a série se encerrou aqui. Confesso que esperava um final melhor, condizente com a mitologia criada, tanto que até esperei os créditos todos passarem pela tela no aguardo de uma cena extra, porém foi aquilo mesmo. Longe da perfeição, foi interessante acompanhar os combates contra os vermes, os Shriekers e os Ass-Blasters, em territórios alternativos, em todos os sete filmes e na série de TV. E só temos a agradecer a Burt Gummer por seguir mais uma vez seu destino.

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 3

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Marcelo Milici

Professor e crítico de cinema há vinte anos, fundou o site Boca do Inferno, uma das principais referências do gênero fantástico no Brasil. Foi colunista do site Omelete, articulista da revista Amazing e jurado dos festivais Cinefantasy, Espantomania, SP Terror e do sarau da Casa das Rosas. Possui publicações em diversas antologias como “Terra Morta”, Arquivos do Mal”, “Galáxias Ocultas”, “A Hora Morta” e “Insanidade”, além de composições poéticas no livro “A Sociedade dos Poetas Vivos”. É um dos autores da enciclopédia “Medo de Palhaço”, lançado pela editora Évora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.