Horror cósmico e dark fantasy se misturam em A Chave do Monarca Azul

0
(0)

A Chave do Monarca Azul (2015)No ano passado, Bruno Moraes começou a escrever A Chave do Monarca Azul como um conto. Agora, o autor buscou ajuda para lançá-lo como um livro através de um projeto de financiamento coletivo pelo Catarse. A campanha foi um sucesso e alcançou o valor que pretendia arrecadar bem antes do prazo final.

A Chave do Monarca Azul é uma obra de “horror cósmico” e “dark fantasy” narrada na claustrofóbica primeira pessoa de um escritor em crise. A história segue um autor de terror best-seller, consagrado no cenário da ficção nacional como um dos maiores de sua geração. Às vésperas do lançamento de seu esperado quarto romance, porém, ele recebe em casa uma correspondência que ele não havia encomendado. Era uma caixa. E o remetente se identifica como “Arlequim”, a entidade-pesadelo que o visitava em sua infância. E se ninguém mais sabe a respeito dessa história, poderia o remetente estar falando a verdade?

Citando Neil Gaiman, H.P. Lovecraft, Julio Cortázar, Lourenço Mutarelli e David Lynch como influências, Moraes lançará o livro em PDF com duas histórias bônus, e também em formato físico. O autor também organizou um sorteio para os apoiadores que adquirirem as recompensas que incluem o livro físico. Os ganhadores poderão escolher entre o livro, uma camiseta ou um pacote de três pôsteres e cinco ilustrações como prêmios.

Para contribuir com a campanha de A Chave do Monarca Azul e para mais informações sobre o projeto e o sorteio, acesse este link. Conheça mais sobre o livro no blog e no Facebook!

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Silvana Perez

Escolheu alguns caminhos errados e acabou vindo parar na Boca do Inferno. Ainda fala de feminismos no Spill the Beans e de ciclismo no Beco da Bike.

One thought on “Horror cósmico e dark fantasy se misturam em A Chave do Monarca Azul

  • 28/07/2015 em 14:21
    Permalink

    Li as dez primeiras páginas da “degustação” e digo: aterrorizante é não saber o final! Já colaborei (e encomendei)!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.