Críticas

A Floresta das Almas Perdidas (2017)

Seria um drama existencial com um toque de filme slasher ou um slasher com pontos existencialistas?

A Floresta das Almas Perdidas
Original:
Ano:2017•País:Portugal
Direção:José Pedro Lopes
Roteiro:José Pedro Lopes
Produção:José Pedro Lopes e Ana Almeida
Elenco:Daniela Love, Jorge Mota, Mafalda Banquart e Ligia Roque

O cinema de gênero é um tipo de “especiaria rara” na cultura lusitana. Principalmente no gênero “horror”. Felizmente algumas produções oriundas do meio alternativo como o fabuloso curta “I’ll See You in My Dreams”, de Miguel Ángel Vivas e Filipe Melo (2003) e a hilária produção trash de Pedro Florêncio e Fernando Alle, Banana Motherfucker (2011), nos remetem que é uma questão de tempo até que o terror se instale no panorama cinematográfico nacional.

Pegando carona nesta “nova onda” temos o longa conceitual de José Pedro Lopes A Floresta das Almas Perdidas cujo plot é o seguinte: numa floresta interiorana portuguesa, que assim como sua “parenta” nipônica, Aokigahara, também é conhecida pela constante prática de suicídios, um angustiado senhor chamado Ricardo (Jorge Mota) conhece uma estranha jovem que nutre uma bizarra simpatia pela morte chamada Carolina (Daniela Love) no momento em que este vai dar fim à sua vida. O estranho casal divaga sobre o porquê da vida e quais os motivos para manter-se nela enquanto caminha pelo bosque em meio aos cantos dos pássaros e corpos em decomposição. Filmado totalmente em preto e branco e tendo como locações Portugal, Espanha e Rússia, o filme tem uma reviravolta surpreendente em sua trama a partir dos 30 minutos, o que me deixou meio confuso sobre a real origem da garota e suas verdadeiras intenções. Seria um drama existencial com um toque de filme slasher ou um slasher com pontos existencialistas?

Uma curiosidade interessante é encontrada em um dos frames da película. Carolina (Daniela Love) parece que está descansando. Tudo em sua pose – a mão enluvada apertando o colar, os tornozelos cruzados e sua mão direita de dedos graciosamente curvados – sugere uma quietude serena, como se estivesse pensando em planos para o dia seguinte ou sobre um possível amor, mas a situação é bem mais profunda. Esta alegoria é uma reprodução da fotografia icônica de Evelyn McHale (23) tirada por Robert Miles e originalmente publicada pela revista LIFE em 1947. Este retrato é conhecido como um dos mais famosos retratos de suicídio já feito e homenageado por Andy Warhol numa obra intitulada Suicide: Fallen Body (1962).

Com uma ótima fotografia realizada por Francisco Lobo e fabulosa captação panorâmica, a densidade melancólica de A Floresta das Almas Perdidas tem a atmosfera sonora de Emanuel Grácio. A canção “1 de março“, que aparece no ato final do filme. foi criada pela banda “Cyberbully Mom Club”, um projeto solo de Shari Heck, da Filadélfia (EUA). Você pode encontrar mais sobre a banda em seu site oficial.

O filme será lançado no European Film Market (Berlim) e no Fantasporto (Portugal) na Semana dos Realizadores em fevereiro deste ano. A produção fica por conta do Anexo 82, Studio 2203, Creatura e Agente a Norte.

Para mais informações, visite o blog e a página do longa no Facebook.

Leia também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *