Críticas

Pequeno Demônio (2017)

A ideia é boa, mas o resultado sofrível. Passe longe e vá rever Todo Mundo em Pânico

Pequeno Demônio
Original:Little Evil
Ano:2017•País:EUA
Direção:Eli Craig
Roteiro:Eli Craig
Produção:Jason Michael Berman, Nicholas David Nesbitt, Scott Stuber
Elenco:Evangeline Lilly, Adam Scott, Sally Field, Clancy Brown, Bridget Everett, Tyler Labine, Carla Gallo, Owen Atlas, Donald Faison

Imagine uma comédia de humor negro que satiriza o clássico A Profecia ao acompanhar a história de uma criança que seria o próprio demônio. E que tal se esta comédia usar e abusar de referências de obras canônicas do gênero? Parece algo imperdível para os fãs de filmes de terror, certo? Mas infelizmente o inferno está cheio de boas intenções e esta ideia infelizmente não é nada mais do que uma boa intenção desperdiçada.

O filme em questão tem o título de Pequeno Demônio (Little Evil, 2017), vem batizado como uma produção original Netflix e pode até parece interessante em uma primeira leitura, mas se perde na sua condução e resta ao público ficar na torcida por uma melhora que nunca acontece. Pequeno Demônio acompanha Gary (Adam Scott, de Krampus – O Terror do Natal) em sua nova vida de casado com Samantha (Evangeline Lilly, a Tauriel de O Hobbit). A moça tem um filho de uma relação anterior e o garoto se chama Lucas (Owen Atlas).

No entanto parece existir algo errado com Lucas que passa boa parte do tempo sozinho ou brincando com seu fantoche em forma de bode chifrudo. Gary acha que simplesmente está tendo dificuldades de relacionamento com o guri até que coisas estranhas começam a acontecer como o palhaço da festa de aniversário do moleque pegar fogo ou perceber em um vídeo que o padre não falou latim na cerimônia de casamento e sim palavras de trás para frente. Sem contar quando o garoto tentou enterrar o próprio Gary vivo.

Sem saber o que fazer, Gary vai em busca de ajuda com a sua amiga AL (Bridget Everett, de Descompensada), que é responsável pelas melhores tiradas cômicas deste filme como uma lésbica altamente masculinizada e que também é “padrasto” da filha da esposa.

Pequeno Demônio até possui uma séries de referências narrativas e visuais com grandes clássicos do gênero como claro o próprio A Profecia, tanto o de 1976 como a refilmagem de 2006, além de Poltergeist, O Iluminado, A Bruxa, Colheita Maldita, entre outros. Mas além de reconhecer estes elementos, sobra pouco do filme que simplesmente não consegue avançar e se arrasta quase sem vida até o seu final.

Nem o roteiro ou a direção de Eli Craig (do piloto da série para TV Zumbilândia, que foi cancelado antes da estreia) conseguem tirar proveito das situações oferecidas pela ideia sobrando quase nada para o público acompanhar na telinha. Gary precisa matar o garoto e para isso conta com ajuda de um exército de gente esquisita como um “matador de demônios” e até do cara que filmou o casamento dele.

A sensação que se tem ao assistir Pequeno Demônio é que se o roteiro fosse mais bem escrito para tirar mais proveito da situação, talvez até tivéssemos um produto satírico do gênero capaz de realmente fazer sucesso. Todo Mundo em Pânico é a prova viva disso. Trata-se de uma brilhante comédia? Não, mas ao menos consegue divertir e entreter durante o seu tempo de duração e fez até o público se interessar em assistir aos capítulos seguintes que naturalmente já não foram tão bons.

Leia também:

2 Comentários

  1. Daniel

    Vocês Do Boca são Incríveis pois pega um Lixo desses e fazem uma propaganda só do fato de fazer Referencias Estilo A Bruxa e Colheita Maldita já sabemos no que vai dar e não adianta já deu o que tinha que dar não tem mais o que explorar sobre o Cenário que a Igreja Católica Criou e seu Personagem Inferno/Demônio já encheu o Saco Criança Lésbica e tudo isso Deu!!!! mas até quando sabe que que eu noto que o pessoal só imita coisa fácil de fazer agora fazer Uma Órfã Da vida ou tentar imitar Uma Inocente Face do Terror mais Difícil ainda bom Talento e Criatividade não é pra Qualquer um Mesmo!!!

    • Fabiano

      tai um comentario confuso de entender

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *