A Dança dos Vampiros (1967)

A Dança dos Vampiros (1967)

A Dança dos Vampiros
Original:Dance of the Vampires
Ano:1967•País:EUA, UK
Direção:Roman Polanski
Roteiro:Roman Polanski, Gérard Brach
Produção:Gene Gutowski
Elenco:Jack MacGowran, Roman Polanski, Alfie Bass, Jack MacGowran, Roman Polanski, Jack MacGowran, Roman Polanski, Alfie Bass, Jessie Robins, Sharon Tate, Ferdy Mayne, Iain Quarrier, Terry Downes, Fiona Lewis, Ronald Lacey

Na teoria, fazer uma sátira é a coisa mais fácil do mundo. Basicamente você pega um filme ou gênero cinematográfico, aponta seus maiores clichês, exagera os pontos mais marcantes e coloca diversas piadas apelativas para atender ao público menos sofisticado. É o que gente como Craig Mazin e os irmãos Wayans vêm fazendo, e devem estar agradando a alguém, já que não passa um ano sem que um novo movie-movie seja lançado nos cinemas – ou direto pro DVD.

Fazer uma sátira irreverente pode ser o caminho mais fácil. Mas uma sátira reverente requer mais talento. Mais do que tudo, requer um artista realmente apaixonado por aquilo que está tentando satirizar, e não apenas interessado em ganhar uns cobres fáceis com o que quer que esteja fazendo sucesso no momento.

A Dança dos Vampiros (1967) (1)

E não há exemplo melhor disso do que A Dança dos Vampiros (1967), onde Roman Polanski criou uma apaixonada ode aos filmes de vampiro da Hammer, Universal e outras produtoras clássicas. A história é básica: uma dupla de caçadores de vampiros chegam a um vilarejo isolado e se instalam em uma pequena estalagem. Sua missão é encontrar e matar o Conde von Krolock, vampiro cruel que mora num castelo nos arredores do vilarejo. Os nossos heróis são o Professor Abronsius (Jack MacGowran, de O Exorcista) e seu assistente Alfred (o próprio Polanski). Longe de ser um Van Helsing, Abronsius sabe toda a teoria sobre vampiros, e pouquíssimo sobre o resto do mundo. Já Alfred é um jovem ingênuo que se apaixona por Sarah (uma estonteante Sharon Tate) filha do estalajadeiro Chagal (Alfie Bass). O conde sequestra Sarah e transforma Chagal num vampiro, e cabe a Abronsius e Alfred invadirem o castelo do vampiro e livrar o mundo das criaturas da noite.

A Dança dos Vampiros (1967) (3)

Provavelmente a melhor sátira cinematográfica já feita, A Dança dos Vampiros é um filme delicioso, com uma produção requintada, ótimas atuações e piadas espertas. Os cenários e figurinos são um deleite aos olhos, mas nada é tão lindo de se ver como Sharon Tate. Ela e Polanski se conheceram durante as filmagens e iniciaram um relacionamento que iria acabar tragicamente com a morte da atriz – grávida – nas mãos da Família Manson, dois anos depois.

A Dança dos Vampiros (1967) (4)

Funcionando como filme de horror, aventura e comédia, A Dança dos Vampiros é a prova de que a sátira não é um gênero restrito a comediantes fanfarrões, mas que pode render verdadeiras maravilhas nas mãos hábeis de um diretor de primeira. O horror – e o humor – agradecem!

(Visited 324 times, 1 visits today)
Matheus Ferraz

Matheus Ferraz

Mineiro, autor publicado e mestre em Biografia pela University of Buckingham

3 comentários em “A Dança dos Vampiros (1967)

  • 27/07/2018 em 23:31
    Permalink

    NO INÍCIO DE MINHA PAIXÃO CINEMATOGRÁFICA, ONDE EU ENTRARÁ NA PUBERDADE, EU EXPLORAVA MINHAS MADRUGADAS NA ANTIGA TV DE TUBO E VÁLVURAS DA DÉCADA DE 70; FUI APRESENTADO ÀS SESSÕES DO CORUJÃO E COMO OUTROS TANTOS TÍTULOS CONSAGRADOS, LÁ ESTAVA “A DANÇA DOS VAMPIROS”, QUE PARA MIM VIRIA A SER A DESCOBERTA DO HUMOR EM MINHA MADRUGADA. NÃO CONSEGUI TER PAVOR, SOMENTE GARGALHADAS POVOAVAM E DESPERTAM OS MEUS DENTRO DE MEU ANTIGO LAR. ESPETACULAR FILME. NÃO SEI ONDE ESTÁ O “SADOMASOQUISMO, VIOLÊNCIA, NUDEZ, UM POUCO DE HOMOSSEXUALIDADE E, CLARO, VOYEURISMO ” DE UMA CRÍTICA PRECONCEITUOSA E TENDENCIOSA. A OBRA EM SI NÃO É NOVIDADE. OBSERVAMOS TOQUES DO 1º CÉLEBRE MENTOR CINEMATOGRÁFICO, CHAPLIN…POUCAS FALAS, CALAS E BOCAS, GESTOS BRUSCOS, HUMOR INGÊNUO, CONTUDO PRATICADO SEM VAIDADE OU PRETENÇÃO. BELO FILME. ENQUANTO AO CRIME DO DIRETOR, DEIXEMOS DEMAGOGIA…DEUS HÁ DE JULGÁ-LO ! SUA OBRA É IMORTAL. JULGUEMOS COISAS BOAS…

    Resposta
  • 21/08/2017 em 08:46
    Permalink

    Ruim é o seu impróprio comentário sobre essa Obra Prima do gênero. Trata-se, simplesmente, de um filme inesquecível!! Gostaria também de registrar um elogio ao jornalista que publicou esse artigo.

    Resposta
  • 12/08/2016 em 13:04
    Permalink

    Nossa…Dados todos os descontos à época, às referências, prestadas todas as homenagens ao trabalho de Polanski e à beleza de Tate, achei esse filme um constrangimento de ruim.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien