Críticas

Os Adolescentes do Espaço (1959)

A história é inacreditavelmente ingênua, com diálogos superficiais e eventos convenientes demais para facilitar o trabalho de roteiro!

Os Adolescentes do Espaço (1959)

Tão ruim que até diverte

Os Adolescentes do Espaço
Original:Teenagers from Outer Space
Ano:1959•País:EUA
Direção:Tom Graeff
Roteiro:Tom Graeff
Produção:Tom Graeff
Elenco:David Love, Dawn Bender, Bryan Grant, Harvey B. Dunn, Tom Graeff, King Moody, Helen Sage, Frederick Welch, Carl Dickensen, Sonia Torgeson, Billy Bridges, James Conklin, Gene Sterling, Ralph Lowe, Bill DeLand, Ursula Hansen, Robert Williams, Don DeClue, Don Chambers, Jim MacGeorge, Kent Rogers, Sol Resnick, Bob Regas, Ross Evans

O filme é de 1959, com fotografia em preto e branco, além de direção, roteiro e produção de Tom Graeff (que também atuou como um repórter investigativo). Trata-se da bagaceira Os Adolescentes do Espaço (Teenagers From Outer Space), lançado em DVD no Brasil pela extinta Works na Sci-Fi Collection, num mesmo disco trazendo o ultra trash Papai Noel Conquista os Marcianos (Santa Claus Conquers the Martians, 1964), de Nicholas Webster.

Um disco voador chega à Terra com uma expedição de alienígenas parecidos com humanos. Sua missão é testar as condições climáticas de nosso planeta para validar a criação de gargons, animais similares a lagostas, que crescem em tamanhos descomunais e servem de alimento para os extraterrestres. A equipe é formada pelo capitão (Robert King Moody) e outros tripulantes jovens adolescentes como Derek (David Love), Thor (Bryan Grant), Moreal (Ralph Lowe) e Saul (Bill DeLand). Eles vêm de um planeta com um governo totalitário e militar, e procuram um local adequado para a criação de seu gado, independente das conseqüências destrutivas causadas pelos gargons.

Derek não concorda com o plano maquiavélico contra a Terra e decide se rebelar fugindo dos companheiros e sendo perseguido por Thor. O jovem alienígena entra em contato com a bela Betty Morgan (Dawn Anderson), que o recebe em sua casa, surgindo um inevitável romance entre eles. Porém, além de Derek ter que lutar contra a ameaça de Thor, armado com uma pistola com um poderoso raio invisível capaz de transformar suas vítimas em esqueletos, ele terá também que impedir seus semelhantes de invadir a Terra com os terríveis monstros parecidos com lagostas gigantes.

Os Adolescentes do Espaço (1959) (2)

A história é inacreditavelmente ingênua, com diálogos superficiais e eventos convenientes demais para facilitar o trabalho de roteiro. Os atores são péssimos e amadores ao extremo (as expressões faciais são sempre as mesmas, ou quando mudam, são de uma artificialidade exagerada). A tentativa de apresentar o monstro ameaçando uma cidade é hilária de tão pobre e ridícula (nada mais do que uma sombra tentando simular uma criatura gigante).

Mas, essas são exatamente as características de um filme trash genuíno e autêntico. E um fato evidente que se pode observar é a honestidade dos envolvidos na produção em tentar fazer um filme sério de ficção científica com elementos de suspense e horror, mas cujo resultado final é ruim, por causa da falta de recursos e principalmente pela incompetência total da equipe, desde atores até os responsáveis pelas funções técnicas.

Então, é justamente por tudo isso, pela história absurda e produção tosca, que filmes como esse Os Adolescentes do Espaço despertam o interesse pelo cinema fantástico bagaceiro, instigando a curiosidade dos fãs de tranqueiras antigas, e garantindo um leve e rápido entretenimento descompromissado, além de servir como registro do cinema trash oriundo do nostálgico período entre os anos 50 e 60 do século passado.

Nós somos a raça suprema. Nós temos as armas supremas. – Capitão

Leia também:

Trackbacks / Pings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *