A Morte do Demônio (1982)

Conheça os personagens e seus atores

A Morte do Demônio (1982) (5)

Ash (Bruce Campbell)

Ashley ‘Ash’ J. Williams é um sujeito simples, bom caráter, sorridente e matador de demônios. Ele entrou na trilogia como um rapaz covarde e saiu como um herói, o único capaz de matar demônios em qualquer época. Foi forçado a enfrentar os seus amigos possuídos, inclusive a namorada, quando eles foram possuídos pelos demônios kandarianos. Teve a coragem de cortar a própria mão que já não mais obedecia a seus comandos e de transformá-la numa motosserra. Enfrentou um exército de mortos vivos, liderados por uma versão demoníaca dele próprio. Tudo isso sem deixar de lado o bom humor, típico dos heróis das histórias em quadrinhos. E agora vaga numa realidade alternativa, podendo estar num futuro distante ou num supermercado enfrentando o Mal e os clientes ruins.

A Morte do Demônio (1982) (7)

Campbell não necessita de apresentações. É um ator de filmes B consagrado em atuações como no papel que fez de Elvis em Bubba Ho-Tep. Também esteve em outros filmes curiosos como My Name is Bruce e Man With the Screaming Brain.

Cheryl (Ellen Sandweiss)

Cheryl é irmã de Ash. Ela é a primeira a notar a presença de forças maléficas nos bosques. Quando foge para lá, ela é estuprada de forma violenta pelas árvores, o que altera o humor de qualquer um. Com isso, fica louca e acaba sendo facilmente possuída pelo demônio. Ash e seus amigos a prendem no porão da casa. Quase no final do filme, ela escapa de sua prisão e quase mata o próprio irmão, distraído.

A Morte do Demônio (1982) (8)

Ellen Sandweiss esteve em Within the Woods, filme de 1978 que deu origem ao clássico The Evil Dead e também atuou no curta Shemp Eats the Moon ao lado de Bruce Campbell e Sam Raimi, seus colegas de faculdade. Após atuar como Cheryl, a atriz desapareceu das telas, só retornando em 2005 com Satan’s Playground, de Dante Tomaselli. A partir daí, fez também o terror The Dread, as comédias de humor negro, My Name is Bruce (com Bruce Campbell), e Brutal Massacre: A Comedy (com Betsy Baker) e, por fim, o terror The Rain. A atriz também gravou episódios da série Dangerous Women (com Betsy e Theresa Tilly/Sarah York), atuando como Cheryl.

Linda (Betsy Baker)

Linda é a namorada de Ash. Do grupo, ela é a mais sensata, segura e madura. Cheryl a apunhala no tornozelo com um lápis No 2. Ela é possuída pelo demônio, mas de forma inofensiva. Passa a maior parte do tempo cantando “We’re gonna get you, we’re gonna get you. Not another peep, time to go to sleep” (Nós vamos pegar você; nós vamos pegar você, sem mais um olhar, hora de dormir). Ash tenta enterrá-la, mas ela o ataca, forçando-o a decapitá-la.

A Morte do Demônio (1982) (9)

Antes de atuar em The Evil Dead, Betsy Baker esteve numa produção para a TV, Word of Honor, em 1981. Depois de interpretar Linda, a atriz sumiu dos estúdios de gravação até 1990, quando fez o drama Appearances. Dezesseis anos se passaram até a Betsy resolver fazer o curta The Cat’s Meow em 2006. Daí por diante não parou mais de trabalhar, fazendo aparições em séries de TV como Dangerous Women (com Ellen e Sarah York/Theresa Tilly) e ER e outros curtas. Em 2007, a atriz voltou a encontrar a companheira Ellen Sandweiss e outros astros do gênero no terror-humor Brutal Massacre: A Comedy, de Stevan Mena. Betsy também produziu o curta Life After Dead: The Ladies of the Evil Dead, documentário de Gary Hertz.

Scotty (Hal Delrich)

A Morte do Demônio (1982) (10)

Scotty é o mais bem-humorado do grupo. Na primeira metade do filme, ele aparenta ser o o herói, enfrentando os demônios com ousadia e competência. É dele que surge o erro mais tosco do filme, quando o personagem simplesmente aparece com um novo penteado e roupa na mesma cena. Aos 43 minutos, decide procurar sua namorada (Shelly) pela casa e olha em todos os cômodos. Na cena em que ele olha para dentro de uma banheira, vocês podem reparar claramente que o visual do ator (cabelo seco e depois lambido e roupas) que abre as cortinas não é o mesmo do que vira o rosto depois. È a típica cena filmada dias depois e que o figurinista come bola.

A Morte do Demônio (1982) (12)

Dez minutos depois o ator novamente refez algumas cenas e seu visual diferente pode ser claramente notado. Detalhe: é uma cena seguida da outras, mas ninguém percebeu até hoje…O demônio está segurando seu pescoço, mas como ele conseguiu mudar o cabelo e as roupas tão rapidamente?

A Morte do Demônio (1982) (13)

Depois de The Evil Dead, Hal Delrich mudou de nome para Richard DeManincor e só apareceu no filme Crimewave, de 85, dirigido também por Sam Raimi, com Bruce Campbell no elenco.

Shelly (Sarah York)

Shelly, figura materna do grupo, é a namorada de Scotty. Shelly é possuída pelo demônio, quando está trocando de roupa no quarto. Ela ataca Scotty no banheiro, quando ele a procura (cena citada acima). Shelly-demônio é atirada na lareira, mas Scotty a tira de lá. Ela o ataca e ele é obrigado a desmembrá-la com um machado.

A Morte do Demônio (1982) (11)

Sarah York fez o curta Torro. Torro. Torro!, de Scott Spiegel, antes de atuar em The Evil Dead. Depois mudou o nome para Theresa Tilly e apareceu num episódio da série Designing Women, de 87. e no filme para a TV, Appearances, de 1990, ao lado de Betsy Baker. Fez Debutante, de 98, e episódios das séries Ryan Caulfield: Year One e Family Law, em 99, e Six Feet Under, em 2001. Cinco anos depois, estaria no curta Projectorhead e, no ano seguinte, em Brutal Massacre: A Comedy (com Ellen e Betsy). Recentemente, entrou para o elenco da série Dangerous Women, com suas colegas de The Evil Dead. Também produziu o curta Life After Dead: The Ladies of the Evil Dead e também The Ladies of the Evil Dead Meet Bruce Campbell , ambos de 2007.

Curiosidades

– O filme foi rodado com o título Book of the Dead, escolhido por Sam Raimi. Na hora do lançamento, entretanto, o produtor Irvin Shapiro exigiu a mudança para The Evil Dead temendo que as pessoas fossem ver o filme achando que continha citações literárias, sendo que o tal “Livro dos Mortos” aparece muito pouco na trama.

– A cabana abandonada onde o filme foi rodado era, realmente, uma cabana abandonada! E que pegou fogo, misteriosamente, alguns anos após as filmagens!

– No porão da cabana, é possível ver um pôster do filme Quadrilha de Sádicos, de Wes Craven.

– A voz do professor na gravação encontrada pelos jovens é do ator Bob Dorian, que não foi creditado.

– O líquido branco que os humanos possuídos por demônios cuspiam era leite. Raimi usou isso não só para mostrar que o “sangue” dos demônios era diferente, mas também conseguir uma classificação mais branda da censura, do que se usasse um sangue parecido com o real.

– A cena do sangue escorrendo sobre um projetor de cinema é uma homenagem de Sam Raimi a um amigo de escola, Andy Grainger. Quando Raimi e Bruce Campbell contaram a Grainger sobre a ideia para um filme, este respondeu: “Façam o que fizerem, deixem o sangue escorrendo na tela o tempo todo“. E assim foi feita uma homenagem literal.

– A cabana usada para as filmagens não tinha porão. Assim, os produtores fizeram um buraco no piso, cavaram um pouco e colocaram um pedaço de escada, para as cenas onde alguém aparecendo entrando no porão. Sempre que os personagens estão caminhando no cenário do porão, as filmagens foram realizadas na garagem da casa de Sam Raimi.

– Supostamente, o personagem de Bruce Campbell se chama Ashley “Ash” J. Williams, mas nem em The Evil Dead, nem em qualquer outro dos filmes da série, o nome de batismo do personagem é citado. Neste primeiro filme ele é chamado duas vezes de Ashley, e o restante do tempo de “Ash“. Mesmo assim, o nome completo pegou e todo fã da série o conhece.

– As misteriosas palavras ditas pelo professor na gravação, e que tem o poder de despertar os demônios, são fragmentos da frase “Rob Tapert e Sam Raimi are the men on the side of the road” (Fulano e Beltrano são os homens do lado da estrada), entregando a participação especial do diretor e do produtor Tapert no início do filme, logo depois do carro onde estão os cinco amigos quase bater num caminhão.

– Um dos macabros desenhos no interior do Livro dos Mortos é uma reprodução da pintura “The Great Red Dragon and the Woman Clothed With the Sun“, de William Blake. Este desenho tornou-se famoso como elemento principal do livro Dragão Vermelho, de Thomas Harris, onde o serial killer é “possuído” pelo dragão do desenho. O detalhe também é mostrado no remake Dragão Vermelho.

Evil Dead foi um dos primeiros filmes a ser proibido na Inglaterra devido ao excesso de sangue e violência.

– Os atores possuídos por demônios normalmente eram substituídos por dublês com maquiagem carregada, que representavam os demônios. Os irmãos de Sam, Ted e Ivan Raimi, e o amigo Scott Spiegel (diretor de Um Drink no Inferno 2), foram dois destes dublês.

Sam Raimi fez a voz da força demoníaca que grita “Join us! Join us!” aos personagens.

– A atriz Betsy Baker faz uma cena em que tenta apunhalar Ash, cambaleando pela sala como se fosse cega. Bem, a atriz realmente não estava enxergando nada, graças às lentes de contato brancas, e realmente não fazia noção de onde Bruce Campbell estava!

– Há uma cena cortada, mostrada no DVD lançado em banca no Brasil, que acontece logo depois que todos os amigos de Ash são transformados em demônios. Ele sai da cabana e começa a gritar desesperado, antes de destruir o vidro de uma das janelas da cabana com um chute.

– O filme foi lançado nos EUA em uma versão especial para colecionador, em um estojo de plástico que imitava a capa do Livro dos Mortos mostrado na história.

(Visited 590 times, 1 visits today)
Juvenatrix

Juvenatrix

Uma criatura da noite tão antiga quanto seu próprio poder sombrio. As palavras são suas servas e sua paixão pelo Horror é a sua motivação nesse Inferno Digital.

17 comentários em “A Morte do Demônio (1982)

  • 27/05/2016 em 22:38
    Permalink

    Não vejo aterrorizante na aquele dia que não existe nada bom na tv, esse filme é passa tempo,eu gosto.

    Resposta
  • 05/12/2015 em 15:23
    Permalink

    O autor da crítica perde totalmente a credibilidade ao afirmar que não há humor negro nesse filme. As cenas com a Linda possuída comprovam que ele está redondamente enganado. Há uma cena em particular que sempre me faz dar gargalhadas: aquela em que o Ash dá várias pauladas na namorada e a desgraçada não pára de rir. Aliás, o Juvenatrix fala de Evil Dead como se ele fosse um puta filme sério e “pesado” como O Exorcista, mas quem já viu esse filme sabe que ele não é bem assim, muito pelo contrário… mas nem por isso deixa de ser um bom filme.

    Resposta
  • 02/10/2014 em 17:35
    Permalink

    Um dos clássicos absolutos do gênero. 1 trilhão de vezes superior ao medíocre remake que fizeram.

    Resposta
  • 09/04/2014 em 14:43
    Permalink

    Realmente, um verdadeiro clássico do Terror!
    A primeira vez que vi esse filme, morri de medo, porque era um VHS com a imagem escura, então, não pude ver muita coisa; mas os sons da cena da mão me assustaram tanto que devolvi a fita à locadora no dia seguinte.
    O engraçado é que algum tempo depois, comprei o segundo em VHS, mas não sabia que essa obra vinha junto. Claro, que fiquei com medo, porque o filme me assustou pra caramba. E mesmo assistindo o DVD, com a imagem clara e nítida, a cena da mão me assustava muito, tanto que nem queria ver… Mas hoje, posso assistir o filme todo sem problema nenhum.
    Qualquer um que não visto essa obra, deveria vê-la, antes de assistir ao fraco remake, por favor.
    Altamente recomendado para aqueles que gostam de sangue, violência, tripas expostas e sustos verdadeiros.

    Resposta
  • 28/02/2014 em 04:29
    Permalink

    Clássico, clássico, clássico…

    Resposta
  • 25/11/2013 em 19:21
    Permalink

    Esse é um filme de terror que realmente cumpre com louvor seu papel de mexer com os nervos da audiência. É terror em toda a acepção da palavra.

    Resposta
  • 18/04/2013 em 00:20
    Permalink

    Alguns amigos meus conversavam outro dia sobre como o terror japonês de 90, muito especialmente o Ringu, representou uma reforma importantíssima no que diz respeito a isso que o Juvenatrix define como o primeiro subgênero. Não me lembro de ter visto em filmes anteriores (e é claro adoraria um feedback) uma representação de um espírito que fosse material,mas ao mesmo tempo tão gélida, coagulada, necróptica e sutil como a Sadako nessa sequência japonesa em que o sangue é perfeitamente um elemento de perturbação coadjuvante. Mas pouca gente se lembra de uma primeira revolução que o o cinema Japonês realizou 38 anos antes: acho muito válido observar que um dos passos mais decisivos na formação desse segundo sub-gênero trata-se de um filme japonês de 1960 chamado Jigoku, que muitos acusam como um dos primeiros trabalhos a explorarem o “gore” como elemento motivacional do horror e não de forma contingente como muito provavelmente “O cão andaluz” do Dali o fez primeiro. Ele é de fato uma obra fantástica e seria muito legal rolasse um artigo dele por aqui! Esse será um ano muito especial para o Gore!!

    Resposta
  • 17/04/2013 em 21:43
    Permalink

    já que todo mundo aki ta puxando do saco dessa merda de filme eu venho fazer o oposto, esse filme é uma bosta e tenho certeza que o remake vai ser infinitas vezes melhor que o original, alias melhor não que o primeiro não vale nada então não vou comparar desse jeito

    Resposta
    • 20/04/2013 em 23:52
      Permalink

      Man, você realmente não assistiu o mesmo filme que eu. Falar que Evil Dead (Original) e uma bosta, você tá de brincadeira… Com o orçamento, atores e tecnologia da época, Evil Dead é um excelente filme. E na boa, não gostar desse filme e a mesma coisa que não gostar de filme de terror.

      Resposta
    • 21/04/2013 em 08:44
      Permalink

      ESSE FILME É MUITO BOM CARA,PRINCIPALMENTE PRA SUA ÉPOCA,CLÁSSICO ABSOLUTO DO TRASH,MAS SE VC NÃO GOSTOU VEJA O REMAKE ,QUE É ÓTIMO TBM E MAIS ATUAL

      Resposta
  • 15/04/2013 em 21:22
    Permalink

    Comprei meu DVD num abanca de revista…, e hoje em dia, adoro ver e rever o filme de vez em quando… FILMAÇO

    Resposta
  • 14/04/2013 em 19:24
    Permalink

    Filmaço , também tenho o dvd de banca , saiu em blu ray pela sony mas não em dvd que é uma pena por sinal o blu ray da sony está muito bom. resumindo é um filme clássico que não pode faltar para os fãns de terror..

    Resposta
  • 14/04/2013 em 00:55
    Permalink

    excelente²²²²² review.
    mto bom mesmo, não vi o original, apesar de não ser da “minha época” gosto muito dos clássicos (até me assustam mais do que as superproduções atuais)… como o exorcista orignal , por exemplo.
    Estou ansioso com o novo the evil dead, mas espero ver o clássico também em breve 😉

    Resposta
  • 13/04/2013 em 23:23
    Permalink

    Evil Dead é um marco na minha adolescência. Ah, a era do VHS! Lembro quando comprei o porco DVD nacional lançado na banca, que da metade do filme pra frente simplesmente ficava sem legenda alguma!

    Filme obrigatório para qualquer fã do terror artesanal caseiro e improvisado, na minha opinião, e por artesanal quero dizer que naquela época o baixo orçamento fazia com que fôssemos brindados com a máxima criatividade dos caras, que tinham que conceber as máscaras e feridas com “ingredientes” mesmo. Hoje em dia é tudo por computação, e por mais que o sangue atualmente pareça mais caprichado, ele sempre terá aquele tom artificial que não convence. Ou eu estou sendo muito conservador e nostálgico, heHe!

    Desde pequeno eu tenho assistido a muita coisa que tem o dedo de Sam Raimi, Rob Tapert, Ted Raimi e Bruce Campbell, como Hércules e Xena – a Princesa Guerreira, sendo Tapert o maridão de Lucy Lawless (a Xena); Ted Raimi, o Joxer, o bobalhão de Xena; e Bruce, o Autólicus – Rei dos Ladrões de Hércules e Xena.

    Resposta
    • 14/04/2013 em 01:34
      Permalink

      KKK tambem tenho esse dvd ate hoje!! lembro quando assisti pela primeira vez na band bem de madrugada… e sempre que repetia o filme eu nao perdia! ate conseguir gravar em vhs na epoca. E pronto assistia inumeras vzs! ate conseguir comprar um aparelho de dvd e comprar o dvd do filme na banca.Que lixo!! as legendas sumiam eu ficava puto!!kkkk… mais foi bons tempos aqueles. Tenho outro classico o Fome animal gravado daquela epoca.

      Resposta
    • 15/04/2013 em 21:43
      Permalink

      Interessante. Eu tenho esse DVD de banca – o primeiro que comprei na vida – e ele não tem esse problema com legenda, não… Mas eu tive o prazer, ainda, de ter visto esse clássico no cinema. Pura emoção.

      Resposta
      • 17/11/2016 em 04:03
        Permalink

        Eu também tenho esse dvd de banca e ele não tem esse problema não, mas pesquisei e por acaso vi que foi lançado duas versões diferentes no mesmo tempo, pois os primeiros dos um eu tenho de bjc como ele vem com a arte original de capa no disco, já a segunda versão vem com o disco todo preto e o nome do filme, e os boxe eram pretos o que é bem melhor do que o brancos, esse segunda versão veio alguns em boxe pretos e brancos, deve ser essa segunda versão que tem problema, pois os filmes qu eu tb comprei na banca veio todos direitinhos.

        Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien