Absentia (2011)

Absentia
Original:Absentia
Ano:2011•País:EUA
Direção:Mike Flanagan
Roteiro:Mike Flanagan
Produção:Morgan Peter Brown, Mike Flanagan, Justin Gordon, Joe Wicker
Elenco:Catherine Parker, Courtney Bell, Dave Levine, Justin Gordon, Morgan Peter Brown, Doug Jones

O trabalho que despertou a atenção de produtores para o nome Mike Flanagan é Absentia. Até então o cineasta americano, mais reconhecido como editor, havia feito alguns dramas e curtas, além da direção de um episódio da série The Gleib Show. Foi com o longa simples e eficiente de 2011 que ele mostrou o talento que tinha para sustos e arrepios, elevando sua carreira com títulos mais expressivos: O Espelho (2013), Hush: A Morte Ouve (2016), O Sono da Morte (2016), Ouija: Origem do Mal (2016), Jogo Perigoso (2017) e A Maldição da Residência Hill (2018). E também assumirá o comando de mais uma adaptação de Stephen King, Doutor Sono, com data prevista de lançamento para 2020.

Com um orçamento extremamente modesto, Flanagan apresentou um enredo curioso envolvendo dimensões paralelas e a perda, acrescentando aparições fantasmagóricas e até um discreto inseto. Após sete anos de sofrimento pelo sumiço do marido, Tricia (Courtney Bell) ainda cola cartazes nas árvores e postes, com a expectativa de um retorno ou alguma informação. Grávida de um relacionamento com o detetive Mallory (Dave Levine), ela está prestes a aceitar o óbito a fim de sanar suas dívidas e buscar uma nova morada, distante das lembranças do desaparecido. Para ajudá-la no processo, ela recebe a visita da irmã Callie (Catherine Parker), recentemente saída de uma clínica de recuperação para viciados em drogas.

Quanto mais se aproxima de sua decisão pelo óbito de Daniel (Morgan Peter Brown), mais ela é atormentada por visões em que ele aparece com expressão de ódio e repulsa, numa maquiagem simples, mas bem feita. Já Callie, na prática do jogging, ao atravessar um estreito e escuro túnel às proximidades da casa, encontra um homem moribundo, Walter Lambert (Doug Jones, o ator-monstro preferido de Guillermo del Toro), que diz coisas sem sentido como uma troca e um pedido de aviso ao filho. Ao levar comida ao rapaz, na manhã seguinte, encontra metais na porta de casa e posteriormente em sua cama. Assim que Tricia assina o óbito e está prestes a iniciar uma relação oficial com o detetive, Daniel retorna para casa para complicar as relações e expor o lugar infernal ao qual esteve.

Consciente dos recursos que possuía, Flanagan ainda consegue despertar arrepios pela ambientação e proposta. Ainda que a câmera não esteja muito bem posicionada e haja cenas que não levam a lugar algum – como a da visita dos pais de Daniel, que poderia ter ficado na sala de edição -, Absentia, em sua simplicidade, traz um conto interessante com teorias sobre o destino de pessoas desaparecidas. Essa dimensão, sugerida como um submundo sombrio e macabro, remete a SeteAlém, um pesadelo que vem se construindo em diversos relatos atuais na internet, com a narração de Luciano Milici em seu canal no youtube.

Simples em sua realização, mas capaz de despertar reflexão e calafrios, Absentia traria para este lado do túnel um cineasta que passaria a ser referência para o gênero fantástico, alimentando a Netflix com obras que merecem reconhecimento. Resta saber o que ele deixou para trás…

(Visited 486 times, 3 visits today)
Marcelo Milici

Marcelo Milici

Fundou o Boca do Inferno em 2001. Formado em Letras, fez sua monografia sobre o Horror Gótico na Literatura. É autor do livro "Medo de Palhaço", além de ter participado de várias antologias de horror!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP-Backgrounds Lite by InoPlugs Web Design and Juwelier Schönmann 1010 Wien